Com a greve confirmada, Governo pede aos portugueses “gestão criteriosa” na utilização de combustível

Dístico emitido pela Casa da Moeda vai permitir acesso à rede de emergência. Já foram emitidos 20 mil. Mas Executivo espera mais 30 mil. Eduardo Cabrita garante que não são falsificáveis.

O Governo pediu este sábado aos portugueses para fazerem uma gestão criteriosa do uso dos combustíveis. Com a confirmação de que a greve vai avançar, o ministro da Administração Interna garantiu que a segurança do abastecimento e da vida em sociedade estão asseguradas.

“Apelamos a todos os portugueses para uma gestão criteriosa na utilização de combustível em função de deslocações absolutamente indispensáveis, quer por razões pessoais ou de atividade económica”, disse Eduardo Cabrita, no final da reunião de emergência da Comissão Nacional de Proteção Civil, em declarações transmitidas pela TVI24. O problema não é de falta de combustível, mas sim de distribuição do mesmo, acrescentou. Se os serviços mínimos forem cumpridos, tal como garantem os sindicatos, não haverá problemas porque estes serviços foram concebidos de acordo com as necessidades identificadas, frisou o responsável.

Apelamos a todos os portugueses para uma gestão criteriosa na utilização de combustível em função de deslocações absolutamente indispensáveis, quer por razões pessoais ou de atividade económica.

Eduardo Cabrita

Cabrita sublinha que os portugueses fizeram bem em, ao longo da semana, irem abastecendo para prevenir. Uma cautela que até o Presidente da República garante ter tido.

O Governo e as autoridades responsáveis fizeram “uma análise dos mecanismo que vão garantir o funcionamento da rede de emergência e que permitirão responder às necessidades de funcionamento ou de funções prioritárias do Estado”, explicou o ministro da Administração Interna. No âmbito da reunião foram discutidos os mecanismos criados para, “assim que se iniciar a greve, avaliar qual a necessidade de resposta contemplando o acesso a essas rede de postos prioritários o acesso a um conjunto de outras instituições públicas e privadas, em função da urgência de que se revista o abastecimento publico”, avançou ainda o ministro. Passará a haver reuniões diárias, precisou, sem querer avançar com qualquer previsão dos custos da greve.

Assim, veículos como ambulâncias, carros de bombeiros e carros de polícia, não carecem de qualquer identificação para aceder à REPA, mas as entidades equiparadas tiveram de fazer um levantamento das necessidades — em áreas como a Segurança Social, Agricultura, Saúde — e indicaram as necessidades por distritos e por veículos.

As viaturas identificadas nesse levantamento vão receber um dístico para garantir o acesso à Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), que entra em funcionamento a partir das 0h00 de segunda-feira, e que tem 52 postos de abastecimento exclusivo e mais 320 que não são exclusivos.

Os dísticos estão a ser produzidos pela Casa da Moeda, com um holograma que não permite a falsificação, garantiu Cabrita, avançando que já há 20 mil produzidos. “Nos próximos dias teremos mais 30 mil dísticos que permitirão que viaturas quer de entidades públicas quer de empresas de setores em que se revele urgência que se justifica o acesso à rede de emergência que possam identificar-se e ser abastecidos nesta rede exclusiva”. Existe depois uma plataforma eletrónica para ser solicitado o acesso a essa rede sempre que se justificar. Isto porque a greve dos motoristas está convocada por tempo indeterminado.

Na terça-feira, na reunião que houve no Centro de Coordenação Operacional na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide, o Governo foi alertado para o facto de a rede de emergência estar apenas preparada para abastecer no limite seis mil viaturas prioritárias.

Só a Segurança Social tem identificadas cerca de 1.300 viaturas por causa das Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS) que fazem apoio domiciliário a idosos. Estas viaturas receberão, a nível distrital, os dísticos no domingo.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com a greve confirmada, Governo pede aos portugueses “gestão criteriosa” na utilização de combustível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião