BCP sobe 1% e anima bolsa lisboeta

O índice de referência nacional está a avançar em linha com a Europa, com os títulos do BCP a puxar pela praça nacional. Sonae e Semapa somam mais de 1%.

Depois de uma semana turbulenta, o BCP arrancou a sessão a valorizar mais de 1%, puxando pela praça nacional. Lisboa está, assim, em terreno positivo com apenas duas das 18 cotadas nacionais abaixo da linha de água. A dar gás à praça nacional está também a Sonae e a Semapa.

Na última sessão da semana, o índice de referência nacional está a avançar em linha com as demais praças do Velho Continente. O PSI-20 soma 0,48% para 4.740,88 pontos. Lá fora, o Stoxx 600 valoriza 0,2%, o alemão DAX sobe 0,4%, o francês CAC 40 ganha 0,3% e o espanhol IBEX soma 0,2%.

Por cá, é o BCP a cotada que mais puxa pela bolsa nacional. Os títulos do banco liderado por Miguel Maya sobem 1,02% para 0,1980 euros. Há mais de cinco semanas que o BCP tem registado um ciclo negativo, o que foi intensificado, esta semana, com a nota de que os 10% da Pharol que pertenciam à High Bridge deverão passar para as mãos do banco. A guerra comercial e as perspetivas de descida nos juros pelo Banco Central Europeu ajudam também a explicar essas perdas.

Acima da linha de água esta manhã, destaque também para a Sonae, cujas ações sobem 1,46% para 0,7975 euros, e para a Semapa, cujos títulos valorizam 1,22% para 11,6 euros. No mesmo setor, as ações da Navigator somam 0,7% para 2,872 euros.

Na energia, os títulos da EDP sobem 0,85% para 3,324 euros, os da EDP Renováveis valorizam 0,65% para 9,27 euros e os da Galp Energia avançam 0,44% para 12,555 euros. Do outro lado da linha de água, as ações da Pharol recuam 1,14% para 1,1214 euros.

Fora do PSI-20 e um dia depois de ter sido confirmado que a Prisa está a negociar com a Cofina a alienação da Media Capital, as ações do grupo espanhol estão a valorizar 3,85% para 1,35 euros. As negociações dos títulos da Cofina e da Media Capital continuam suspensas.

Na quarta-feira, o Expresso deu conta de que a Cofina, dona do Correio da Manhã, assinou há três semanas com a Prisa um memorando de entendimento com vista à compra da Media Capital, a dona da TVI. A notícia, entretanto confirmada oficialmente, levou o supervisor a suspender os títulos na bolsa, até que informação adicional fosse dada pelas duas cotadas do PSI Geral.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP sobe 1% e anima bolsa lisboeta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião