Entre as montanhas de Jackson Hole, bancos centrais procuram fuga à avalanche da recessão

Arranca esta quinta-feira o simpósio onde investidores vão procurar sinais sobre o curso da política monetária nos próximos meses. Pressionado por Trump e pela economia, Powell vai centrar atenções.

O vale de Jackson Hole, no estado norte-americano do Wyoming, é o lugar de encontro anual de banqueiros centrais, economistas e decisores políticos. Este ano, o simpósio tem como tema os “desafios da política monetária” e — sob a ameaça de uma recessão eminente –, não lhes faltará tema de debate. Do lado de fora, os investidores vão estar particularmente atentos à procura de sinais sobre qual será a estratégia a seguir.

“Dez anos após a crise financeira, os decisores de política monetária enfrentam uma série de desafios enquanto procuram alcançar os seus mandatos”. É este o mote do simpósio, que é organizado pela Reserva Federal norte-americana (Fed) e que decorre entre esta quinta-feira e o próximo sábado.

“Ritmos diferentes de recuperação levaram os bancos centrais a traçarem diferentes cursos de normalização da política monetária no seguimento de um período em que a maior parte dos bancos centrais usaram tanto ferramentas convencionais como não convencionais de política monetária em resposta à grande recessão. Se alguns bancos centrais estão a aproximar-se de um quadro político neutral, outros ainda não começaram o processo de remoção da política acomodatícia“, admite a Fed, que organiza o simpósio.

É este o cenário atual. Os maiores bancos centrais do mundo, incluindo a Fed e o Banco Central Europeu (BCE), fizeram afundar os juros de referência para mínimos históricos e lançaram programas de estímulos monetários para aumentar a liquidez nos mercados. No caso da Fed, a taxa de referência atingia um intervalo entre 0% e 0,25% em dezembro de 2008 e assim se manteria ao longo de sete anos.

O processo de normalização nos EUA começaria em dezembro de 2015, com a primeira subida dos juros. Nos dois anos seguintes, seriam mais oito aumentos, acompanhados do fim da compra de dívida no mercado e do início da limpeza destes títulos da folha de balanço.

"Diferentes condições económicas entre os países e os correspondentes quadros de política monetária apresentam uma série de desafios para os decisores políticos.”

Reserva Federal de Kansas City

Powell vs Trump

No entanto, as perspetivas do fim do ciclo económico (que nos EUA é já o mais longo de sempre) e o impacto da guerra comercial na economia global determinaram uma mudança de discurso. A 31 de julho, o presidente da Fed Jerome Powell anunciou o primeiro corte nos juros de referência desde 2008, para o atual intervalo entre 2% e 2,25%.

O ponto alto do simpósio será, por isso, o discurso de Powell na sexta-feira, às 15h (hora de Lisboa), em que o líder do banco central dos EUA poderá confirmar a expectativa do mercado: de que no próximo mês irá cortar os juros em mais 0,25 pontos percentuais. Em alternativa, poderá sinalizar um corte ainda maior (de 0,50 pontos) ou indicar que a redução de julho foi um estímulo pontual à economia e não o início de uma série.

Mas Powell não será o único líder norte-americano a centrar atenções. O presidente dos EUA, Donald Trump, poderá estar presente, mesmo sem se deslocar até Wyoming, tal como fez quando os banqueiros centrais se encontraram em Sintra, em junho.

Apesar da tradição de separação de poderes que garante a independência do banco central, Trump tem sido crítico da atuação de Powell. O presidente pede mais cortes nos juros e, só este mês, já acusou a Fed de “algemar” a economia norte-americana, de ser “demasiado orgulhosa para admitir que fez um disparate” e de ser “incompetente”.

Philip Lane, Sabine Lautenschläger, Benoît Cœuré e Jerome Powell (Fotomontagem: Lídia Leão / ECO)

Draghi ausente

Se nos EUA, o cenário é este, na Zona Euro é diferente. O BCE faz parte do segundo grupo a que se refere a Fed: o dos bancos centrais que ainda nem começaram a normalização e já têm de lidar com as perspetivas de uma nova crise. O presidente do BCE, Mario Draghi, será uma das ausências mais importantes, especialmente dada a expectativa sobre o que anunciará em setembro, na última reunião que será presidida pelo italiano antes de abandonar o cargo.

Em julho, Draghi reconhecia que “o outlook económico está cada vez pior” e anunciava que o “Conselho de Governadores está determinado a agir”. Ficou assim aberta a porta a que sejam detalhados um “pacote de estímulos” em que “nenhum instrumento está absolutamente excluído”.

Draghi, que é conhecido pela capacidade de mexer com os mercados financeiros, não estará, no entanto, presente para encaminhar os investidores. O BCE será representado por Philip Lane (economista-chefe), Benoît Cœuré e Sabine Lautenschläger (ambos membros do conselho executivo). Apesar de todos (especialmente os dois primeiros) poderem falar em nome do regulador da Zona Euro, a expectativa não é elevada.

"Quando a próxima recessão vier, e é inevitável que venha, decisores políticos poderão ter de usar todas as ferramentas disponíveis disponíveis para maximizar o seu efeito conjunto. Isto significa apoiar a procura através de estímulos monetários e orçamentais onde for possível.”

Christine Lagarde (5 de junho de 2019)

Quem ainda não se sabe se estará presente é a sucessora de Draghi, Christine Lagarde. A francesa costuma ser presença assídua em Jackson Hole, mas mesmo que participe, este ano, não deverá ter um lugar de destaque tendo em conta que já se demitiu do cargo de diretora-geral do Fundo Monetário Internacional e ainda não assumiu funções como presidente do BCE.

Além disso, desde que a mudança foi tornada pública que Lagarde não tem feito declarações públicas, mas a sua posição é conhecida. “Quando a próxima recessão vier, e é inevitável que venha, decisores políticos poderão ter de usar todas as ferramentas disponíveis disponíveis para maximizar o seu efeito conjunto. Isto significa apoiar a procura através de estímulos monetários e orçamentais onde for possível“, dizia Lagarde, em junho.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Entre as montanhas de Jackson Hole, bancos centrais procuram fuga à avalanche da recessão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião