Berardo já tem o parecer de Mota Amaral sobre possível perda das comendas. Empresário prepara agora a sua versão dos factos

Mota Amaral avaliou se houve ou não violação dos deveres dos membros das Ordens, mas recusou avançar ao ECO qual o sentido da sua recomendação. Conselho das Ordens terá a palavra final.

Mota Amaral já entregou ao Conselho das Ordens Nacionais a nota de culpa que pode levar à retirada das condecorações atribuídas a Joe Berardo. Agora cabe ao empresário madeirense apresentar o contraditório.

“Já entreguei o relatório”, confirmou ao ECO, o antigo presidente da Assembleia da República, que foi o escolhido por Manuela Ferreira Leite como instrutor do processo aberto em maio, na sequência da audição de Joe Berardo na comissão de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos.

Já entreguei o relatório.

Mota Amaral

Nesta nota de culpa, Mota Amaral avaliou se houve ou não violação dos deveres dos membros das Ordens, mas recusou avançar ao ECO qual o sentido da sua recomendação. Caso se confirme essa violação, o empresário poderá perder as condecorações que lhe foram atribuídas por António Ramalho Eanes, em 1985, e Jorge Sampaio, em 2004: comenda da Ordem do Infante D. Henrique e a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. O social-democrata, antigo presidente do governo regional dos Açores tinha dito ao ECO que a sua intensão era “entregar o documento solicitado” “no final de agosto”.

A bola está agora do lado de Joe Berardo, que já recebeu a nota de culpa, confirmou o ECO, para que possa exercer o direito de contraditório. De acordo com as regras do Conselho das Ordens, “no processo disciplinar é diligência impreterível a audiência do arguido, ao qual deve ser entregue nota de culpa e facultada a apresentação de defesa”. Contactado, fonte oficial do empresário não quis comentar.

Caso a nota de culpa relativa às condecorações seja “julgada procedente, é imposta ao arguido, conforme a gravidade da falta e do desprestígio causado à Ordem, a sua admoestação ou irradiação”. No primeiro caso, caberá a Manuela Ferreira Leite, enquanto chanceler, repreender Berardo “pessoalmente ou por escrito”; já no caso da retirada dos dois graus de comendador, o processo é mais distanciado, havendo lugar à publicação de um alvará em Diário da República.

Existem vários casos de condecorações que foram retiradas. Armando Vara, Jorge Rito e Carlos Cruz perderam as suas comendas na sequência de condenações judiciais. Mas, por exemplo, Cristiano Ronaldo, que foi condenado pelo Fisco espanhol por fuga aos impostos, não perdeu a sua condecoração. No caso de Joe Berardo, os deputados pedem que as condecorações sejam retiradas ao empresário madeirense e o próprio Presidente da República não se opõe a que Joe Berardo possa perder as condecorações, segundo avançou o Jornal de Negócios.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berardo já tem o parecer de Mota Amaral sobre possível perda das comendas. Empresário prepara agora a sua versão dos factos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião