Miranda & Associados é distinguida em Joanesburgo

Miranda & Associados venceu a categoria “International Law Firm of the Year”, em Joanesburgo.“Este prémio é o reflexo de um período de consolidação e crescimento para a Miranda", refere o presidente.

A sociedade de advogados Miranda & Associados foi distinguida como “International Law Firm of the Year” na edição de 2019 da “African Legal Awards”. Esta iniciativa, promovida pela revista Legal Week, realizou-se no The Wanderers Club em Joanesburgo, África do Sul.

Na categoria “International Law Firm or the Year” encontravam-se também nomeados os escritórios Baker McKenzie, Dentons, DLA Piper, PLMJ e White & Case LLP.

O processo de avaliação aos escritórios nomeados nesta categoria foi realizado por um júri, composto pelos principais general counsels da região. Entre os fatores em consideração estava a evolução das empresas nos dos últimos 12-18 meses, o conhecimento jurídico, a inovação, a visão estratégica e os novos negócios concretizados, e também o atendimento ao cliente.

“Este prémio é o reflexo de um período de consolidação e crescimento para a Miranda. Nos últimos 18 meses expandimos a nossa prática na África francófona, crescemos significativamente com várias e importantes contratações e promovemos cinco dos nossos associados a sócios”, refere em comunicado Diogo Xavier da Cunha, presidente do conselho de administração da Miranda.

O responsável agradece ainda aos clientes pela “preferência e confiança”, aos advogados e colaboradores pelo “empenho e dedicação constantes” na sociedade. “E, por último, mas não menos importante, a todos os colegas que integram os escritórios da Miranda Alliance, cujo compromisso com o nosso projeto internacional é outro dos pilares da nossa reputação no mercado de serviços jurídicos cada dia mais competitivo e global”, acrescenta o presidente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miranda & Associados é distinguida em Joanesburgo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião