Hoje nas notícias: EDP, Proteção Civil e Madeira

  • ECO
  • 19 Setembro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A instalação de contadores inteligentes deverá ser acelerada, alerta a presidente da reguladora do setor da energia. A demissão do secretário de Estado da Proteção Civil terá na origem contratos avaliados em cerca de dois milhões de euros. Nas legislativas na Madeira, as sondagens apontam para que o PSD vença, mas sem maioria absoluta. Veja estas e outras notícias que marcam a atualidade nacional.

ERSE avisa EDP para acelerar contadores inteligentes

A presidente da ERSE, Cristina Portugal, alerta para o facto de que a instalação de contadores inteligentes ter de ser acelerada, admitindo que poderá ter de pressionar a EDP, que disse que em 2023 só 80% dos consumidores estarão ligados a redes inteligentes. A ligação a redes inteligentes em Portugal poderá “não surgir tudo ao mesmo tempo e em todas as zonas, mas de facto tem que ser acelerado”, disse a presidente do regulador em entrevista ao Público.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Contratos de dois milhões na origem da demissão do secretário de Estado da Proteção Civil

A justiça está a investigar contratos de cerca de dois milhões de euros celebrados por ajuste direto entre o Estado e empresas privadas, entre eles a compra das golas anti-fumo e um sistema de alerta de risco de incêndio por SMS, e são estes que terão levado Artur Neves, o secretário de Estado da Proteção Civil que se demitiu esta quarta-feira, a pedir a demissão, noticiam os jornais Público e Jornal de Notícias. As autoridades levaram a cabo 54 buscas esta quarta-feira, das quais oito foram domiciliárias.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Sondagem. PSD ganha legislativas da Madeira sem maioria absoluta

O PSD e o PS estão separados por 2,4 pontos percentuais, na última sondagem para as legislativas na Madeira. Os sociais-democratas vencem as eleições, mas sem maioria absoluta, preveem os estudos de opinião da Eurosondagem para o Diário de Notícias da Madeira e pela TSF-Madeira. A falta de uma maioria absoluta, quer do PSD quer do PS, irá obrigar a negociações e coligações.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Governo dá apoio a empresas que ponham trabalhadores a prazo nos quadros

Converter contratos a prazo em permanentes vai dar direito a um apoio de até 3.050,32 euros por trabalhador, mediante alguns requisitos, revela uma portaria do Governo que deverá ser publicada esta quinta-feira. As empresas que têm direito a este apoio são aquelas que convertam os contratos após a entrada em vigor desta medida, chamada de Converte+. As candidaturas deverão abrir este mês.

Leia a notícia completa no Agência Lusa (acesso pago).

Filho de Eduardo dos Santos julgado por burla

O julgamento de José Filomeno dos Santos, filho do antigo presidente de Angola, irá começar a 25 de setembro. As acusações de associação criminosa e falsificação foram retiradas pelo Tribunal Supremo, mas o ex-presidente do conselho de administração do Fundo Soberano de Angola terá de se defender das acusações de burla por defraudação, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: EDP, Proteção Civil e Madeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião