“O meu é melhor que o teu.” Costa e Rio discordam sobre quem tem o melhor “Centeno”

É outro ponto de discórdia entre António Costa e Rui Rio: qual dos dois tem o melhor Centeno? A figura do ministro das Finanças esteve no centro do debate entre os dois líderes na rádio.

À esquerda: António Costa e Mário Centeno (PS); à direita: Joaquim Miranda Sarmento e Rui Rio (PSD).

Os dois principais líderes políticos portugueses têm algo a dizer um ao outro: “O meu Centeno é melhor do que o teu.”

Apesar de o debate desta segunda-feira ter sido entre António Costa (PS) e Rui Rio (PSD), foi mesmo Mário Centeno o protagonista, com argumentos atirados de parte a parte pelos dois líderes a mencionarem o atual ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, também conhecido por “Cristiano Ronaldo das Finanças”, mas também Joaquim Miranda Sarmento, o homem das contas do PSD, responsável pelo cenário macroeconómico do partido da oposição.

A primeira referência a Mário Centeno surgiu numa altura em que se falava dos prejuízos milionários da TAP, justificados pelo primeiro-ministro com o investimento em novos aviões. A conversa decorreu assim:

Rui Rio (RR): Eu já sabia que o Dr. António Costa ia falar na compra das aeronaves da TAP.

António Costa (AC): Mas também falei nos passes sociais.

RR: O Dr. António Costa tem um Mário Centeno, mas eu também tenho o meu Mário Centeno.

AC: Mas eu não troco o meu pelo seu, fique já descansado. E os portugueses também não.

RR: O meu Mário Centeno também me disse: ‘Olhe que o Mário Centeno dele vai falar nos aviões da TAP’.

Seguiu-se o debate acerca dos investimentos, com o líder do PSD a criticar o saldo negativo da balança externa. Um facto que o primeiro-ministro justificou com os investimentos das empresas na modernização e na compra de maquinaria. Por isso, o líder do PS desafiou Rui Rio a detalhar os números:

AC: Diga lá qual é a composição [do saldo da balança comercial].

RR: Composição não tenho. Tenho os saldos.

AC: Como debatemos logo à noite, eu levo-lhe o quadro descriminado, para ver como é maquinaria.

RR: Eu vou pedir ao meu Mário Centeno, você pede ao seu Mário Centeno. Depois fazemos a discussão.

AC: Este ano, essa degradação [do saldo] de que fala, 77% são os aviões da TAP. Não vale a pena perguntar a Mário Centeno nenhum. É assim a realidade.

E como não há duas sem três, a discussão voltou a recair sobre os dois “Mários Centenos” — o do PS e o do PSD. Foi assim:

AC: No seu quadro macroeconómico só tem verba para pagar as progressões [dos professores] que já estão decididas. […] Há uma coisa que lhe garanto. Pode gostar muito do seu Centeno. Mas tenho a certeza do seguinte: os portugueses preferem o meu Centeno, que esse é de contas certas, que nos permite fazer aquilo que dizemos que devemos fazer e não promete a ninguém fazer aquilo que sabemos que não podemos fazer.

RR: O seu Centeno, o Centeno do PS, que está farto do Ministério das Finanças e que diz que se o PS ganhar, fica, mas só enquanto for presidente do Eurogrupo… Portanto, vai-se embora no fim do primeiro semestre do próximo ano. É um Centeno a prazo. Está com contrato precário no caso de o PS ganhar.

AC: Mesmo que seja assim, seriam melhor seis meses do meu Centeno do que quatro anos do seu Centeno.

RR: O pior é quem depois pode eventualmente ir, se nenhum é Centeno.

Quem é o “Centeno” de Rui Rio?

O “Centeno” de Rui Rio é Joaquim Miranda Sarmento, economista, professor e coautor do cenário macroeconómico do PSD, incluído no programa eleitoral do partido para as legislativas de outubro.

Oficialmente, no partido, Joaquim Miranda Sarmento é porta-voz do Conselho Estratégico Nacional para a área das Finanças Públicas. E assumiu a pasta de mandatário nacional para as próximas eleições.

Chegou a ser assessor económico de Cavaco Silva quando este era Presidente da República e foi ainda consultor da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO).

É também visto como uma das possíveis escolhas de Rui Rio para o cargo de ministro das Finanças, caso o PSD vença as eleições. Mas não chegou a integrar as listas de deputados, como se esperava, tendo sido a principal baixa naquela que ficou conhecida este ano por “noite das facas longas” do PSD, a reunião em que as estruturas do partido escolheram os nomes para as listas, “expurgando” alguns dos principais críticos internos de Rui Rio.

Quem é o “Centeno” de António Costa?

O verdadeiro Mário Centeno é economista e professor catedrático, responsável pelas contas do PS antes de chegar a ministro das Finanças do Governo de António Costa. Um cargo que ocupa atualmente.

É visto por alguns como o grande responsável pelas “contas certas” de Portugal, nomeadamente a redução do défice e da dívida pública, mas é acusado por outros de ter aumentado a carga fiscal, nomeadamente através dos chamados “impostos indiretos” sobre os combustíveis e os produtos açucarados.

Em meados de 2017, o então ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, apelidou-o de “Ronaldo das Finanças”, numa alusão ao craque do futebol, Cristiano Ronaldo.

Estes episódios ajudaram a pôr Mário Centeno no centro da atualidade nacional ao longo dos últimos anos. Em janeiro de 2018, conquistou o lugar de presidente do Eurogrupo, o órgão que reúne os ministros das Finanças da Zona Euro, tendo contado com o apoio de Espanha, França, Alemanha e Itália.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“O meu é melhor que o teu.” Costa e Rio discordam sobre quem tem o melhor “Centeno”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião