Primeira baixa na Libra, a moeda do Facebook: PayPal renuncia ao projeto

A empresa de pagamentos PayPal decidiu renunciar ao projeto Libra, a criptomoeda que está a ser desenvolvida pelo Facebook. Visa e MasterCard estarão a ponderar fazer o mesmo.

Está feita a primeira baixa no projeto da Libra, a criptomoeda do Facebook. A empresa de pagamentos PayPal decidiu deixar de participar na rede, uma decisão que poderá ameaçar a ambição de Mark Zuckerberg de criar um sistema global de pagamentos digitais. A notícia foi avançada pelo The Wall Street Journal (acesso pago).

Segundo fonte oficial do PayPal, citada pelo jornal, os responsáveis da empresa decidiram “renunciar à participação” no projeto do Facebook. No entanto, a empresa mantém-se entusiasta do projeto e garante que vai manter contacto com a equipa da Libra no sentido de explorar futuras parcerias.

O Facebook tenciona lançar uma moeda digital, chamada Libra, na primeira metade de 2020. Para tal, reuniu uma série de parceiros de relevo, numa espécie de coligação da qual o PayPal fazia parte até hoje. No grupo encontra-se também o duopólio Visa e MasterCard e a luso-britânica Farfetch.

No entanto, o projeto tem merecido forte oposição por parte de reguladores mundiais, entre os quais a Fed e o BCE, mas também a Comissão Europeia e alguns países como França e Alemanha. A principal preocupação é que uma rede global de pagamentos desta natureza possa representar um risco para a estabilidade do sistema financeiro.

Na semana passada, o mesmo jornal revelou que a Visa e a MasterCard, líderes mundiais em soluções de pagamento, também estão a ponderar renunciar ao projeto, temendo a má publicidade e um escrutínio mais apertado por parte das autoridades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeira baixa na Libra, a moeda do Facebook: PayPal renuncia ao projeto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião