Fed discute até onde devem ir cortes nas taxas de juro

As minutas da última reunião da Fed, que levou a uma descida dos juros, mostram que os responsáveis começaram a discutir até onde devem ir os cortes na taxa diretora.

Os responsáveis da Fed começaram a discutir até onde deve ir a política de descida dos juros, num contexto de abrandamento da economia global e aumento da incerteza comercial. As minutas da reunião do banco central em setembro, que levou a uma descida nos juros, também mostram que os responsáveis pela política monetária norte-americana estão preocupados com o impacto que esses riscos podem ter no mercado laboral dos EUA.

Alguns participantes sugeriram mesmo que o comunicado da Fed, a divulgar após a reunião, deveria ser mais claro sobre o momento em que é mais provável que “a recalibração do nível do ritmo da política em resposta à incerteza comercial” tenha um fim. Isto porque alguns oficiais mostraram desconforto com a diferença entre as expectativas dos investidores para cortes futuros e as próprias projeções da Fed sobre o caminho mais apropriado a seguir, de acordo com a Bloomberg (acesso condicionado).

Mas houve acordo em torno da desaceleração da economia global. E houve até quem tenha apontado para modelos económicos que indicam um aumento da probabilidade de uma recessão no médio prazo, segundo as minutas publicadas esta quarta-feira.

“Surgiu uma fraqueza prolongada na despesa com investimento, produção e exportação”, referem as minutas, que mostram que os responsáveis também concordaram que “os riscos negativos para as perspetivas de atividade económica aumentaram” desde a reunião anterior, em julho. Especificamente, riscos associados à “incerteza e às condições da política comercial no exterior”, cita o The Wall Street Journal (acesso pago).

A publicação das minutas teve uma reação limitada por parte das bolsas norte-americanas. Os índices estão em alta, com ganhos acima de 1%, perante novas informações que mostram que a China está mais aberta a fechar um acordo comercial com os EUA do que o antecipado no início da semana. As autoridades chinesas e norte-americanas têm reunião marcada para esta quinta-feira.

(Notícia atualizada às 19h43 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed discute até onde devem ir cortes nas taxas de juro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião