Facebook cria área para notícias e paga milhões a jornais. Decisão de incluir site extremista gera críticas

O Facebook lançou uma aba para notícias depois de fechar contratos com jornais que chegam a vários milhões de dólares. Mas incluiu um site extremista entre o jornalismo de "alta qualidade".

O Facebook FB 0,48% anunciou um plano para apoiar o jornalismo de “alta qualidade” através de uma nova área chamada “Top News” na rede social, dedicada exclusivamente a notícias. A empresa lançou a funcionalidade para cerca de 200 mil utilizadores numa fase inicial, mas a intenção é disponibilizar o novo feed de forma mais global.

O conteúdo exibido foi licenciado pelo Facebook junto de empresas de comunicação social, incluindo títulos como The New York Times, The Wall Street Journal e New York Post. Estes contratos deverão gerar alguns milhões de dólares de receita adicional para estas empresas, numa altura em que o setor atravessa uma grave crise desde que perdeu o controlo da distribuição para plataformas como o Facebook.

Os utilizadores vão ter algum controlo sobre o conteúdo que é exibido na aba das notícias. Apesar de os principais destaques serem escolhidos por uma “equipa de jornalistas”, a empresa desenhou um algoritmo de curadoria de conteúdos para destacar histórias que possam interessa ao utilizador. Mas os leitores também podem seguir tópicos de interesse e esconder as notícias de fontes que optem por não acompanhar.

Esta é a aparência da aba “Top News” do Facebook. Em breve, chegará à generalidade dos utilizadores.Facebook

O Facebook tem sido pressionado a equilibrar o mercado a favor das empresas que criam conteúdos, uma vez que a plataforma é capaz de monetizar as notícias sem ter de partilhar as receitas com os jornais. “As pessoas querem ver notícias de alta qualidade no Facebook”, reconheceu Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook, no lançamento desta nova aba “Top News”. No entanto, o gestor continua a defender que os utilizadores dão preferência às publicações feitas por amigos e familiares, pelo que o algoritmo principal deverá continuar a dar prioridade a este tipo de conteúdo.

As notícias de jornais como o The New York Times e The Wall Street Journal, que são pagas, vão continuar a ser. Ao clicarem num conteúdo destes jornais na aba de notícias do Facebook, os utilizadores vão ser convidados a fazerem uma subscrição. Atualmente, é possível obter uma subscrição do The New York Times por quatro euros por mês, enquanto a promoção do The Wall Street Journal oferece três meses por um euro. Mas a aba também vai ter conteúdos de meios gratuitos.

A funcionalidade do Facebook para notícias está a ser recebida com um sentimento misto no mercado. Por um lado, representa um primeiro “investimento” significativo do Facebook no jornalismo, depois de vários anos em que a rede social e os publishers estiveram de costas voltadas. No entanto, por outro, o plano de Mark Zuckerberg também está a ser alvo de fortes críticas.

Entre os cerca de 200 títulos de “alta qualidade” que marcam presença na aba do Facebook está o site de extrema-direita Breitbart, do qual fez parte o estratega da campanha de Donald Trump, Steve Bannon — e que, por exemplo, trata os imigrantes por “aliens”. A decisão de integrar este título na plataforma espoletou receios de que a aba “Top News” vá dar palco à extrema-direita, que tem acusado a rede social de “censurar” as suas ideias em detrimento da ideologia mais liberal. E representa também um passo atrás nos esforços que têm sido feitos para travar a propagação do discurso de ódio na internet.

Correção: Uma anterior versão deste artigo apontava Steve Bannon como fundador do Breitbart. Bannon fez parte do site, mas não foi o seu fundador.

Cotação das ações do Facebook em Nova Iorque

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook cria área para notícias e paga milhões a jornais. Decisão de incluir site extremista gera críticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião