Facebook estuda criar aba para notícias e pagar aos jornais

Mark Zuckerberg está a estudar a criação de um separador para notícias no Facebook, pagando aos jornais pelo conteúdo que aí colocar. Polémica lei dos direitos de autor na UE aprovada há uma semana.

O Facebook está a estudar a criação de uma secção dedicada às notícias na plataforma, através da qual poderá negociar com os editores um pagamento pelo acesso aos conteúdos. Informação que surge uma semana depois de a União Europeia ter aprovado novas regras para os direitos de autor na internet.

Numa conversa gravada entre com o presidente executivo do grupo de media Axel Springer, Mathias Döpfner, o fundador do Facebook admitiu a hipótese de criar uma aba exclusiva para notícias “de alta qualidade” provenientes de fontes “credíveis”. Para garantir a qualidade do conteúdo, Mark Zuckerberg admite pagar a alguns jornais pelo acesso e disponibilização desse mesmo conteúdo na maior rede social do mundo, de acordo com a Business Insider.

A informação de que a empresa está a estudar esta hipótese ganha relevância num contexto de aprovação da nova Diretiva dos Direitos de Autor, uma framework europeia que define novas regras para os direitos de autor na internet e que vai dar aos jornais mais poder de negociação na partilha de receitas com as grandes plataformas tecnológicas.

No passado, o Facebook já teve planos para tirar para uma aba secundária o conteúdo noticioso do feed de notícias dos utilizadores. Além disso, o lançamento dos Instant Articles surgiu para responder às críticas dos editores de que a rede social não pagava pelo acesso ao conteúdo. A baixa remuneração levou a que muitos jornais que aderiram inicialmente à funcionalidade tenham decidido abandonar o modelo no último ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook estuda criar aba para notícias e pagar aos jornais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião