CTT disparam mais 4%. Lisboa quebra ciclo de quatro sessões negativas

Lá por fora, as ações europeias e americanas tocaram máximos históricos perante o desagravamento das tensões entre EUA e Irão.

A bolsa de Lisboa interrompeu um ciclo de quatro sessões de queda, graças ao bom desempenho dos CTT, que dispararam mais de 4% para máximos de mais de um ano. Lá por fora, perante o desanuviar as tensões entre EUA e Irão, as ações europeias fixaram novo recorde intradiário. Em Wall Street, também se vive uma sessão histórica.

O PSI-20, o principal índice português, valorizou ligeiros 0,04% para 5.229,19 pontos. Foi o suficiente para quebrar um longo jejum de ganhos que durava há quase uma semana. Os CTT foram protagonistas em Lisboa: as ações dispararam 4,45% para 3,378 euros, o valor mais elevado desde dezembro de 2018.

Foram 11 as cotadas que fecharam em “terreno” positivo. Destaque ainda para o BCP, cujas ações somaram 0,99% para 0,2045 euros.

Já o setor da energia esteve sob pressão: EDP, EDP Renováveis e Galp fecharam com quedas entre 0,3% e 1,3%. No caso da petrolífera, as ações corrigiram em baixa de 1,29% após os ganhos significativos à boleia da valorização o preço do petróleo com a crise no Médio Oriente. O Brent está a cair quase 1% esta quinta-feira.

CTT disparam para máximos de mais de um ano

Na Europa, o Stoxx 600, o índice de referência no Velho Continente, atingiu um máximo intradiário esta quinta-feira. Fechou com um ganho de 0,34% para os 419,79 pontos. Outras importantes praças europeias como Frankfurt ou Paris registaram subidas de 1,3% e 0,1%. Já a bolsa de Madrid teve perdas de 0,4%.

Em Wall Street, as bolsas norte-americanas abriram a sessão a renovar máximos.

Os índices europeus terminaram a sessão de hoje em alta, depois de os investidores terem feito uma interpretação otimista de toda a envolvente das tensões entre os EUA e o Irão.

“O temido discurso de Donald Trump [de quarta-feira] acabou por apaziguar os espíritos mais bélicos relativamente às tensões no Médio Oriente”, explicam os analistas do BPI. “De facto, a resposta que os investidores estão a ter em relação à situação no Médio Oriente enquadra-se no padrão observado em outras situações de elevado risco geopolítico. (…) Os investidores tendem a atribuir uma probabilidade reduzida a um escalar da tensão capaz de afetar a economia global“, acrescentaram.

Segundo os analistas, os mercados vão estar agora mais atentos ao evoluir das negociações entre Washington e Pequim em torno da guerra comercial. O ministro do Comércio da China disse esta quinta-feira que o vice-primeiro-ministro Liu He assinará um acordo comercial de “Fase 1” em Washington na próxima semana, elevando o sentimento de que uma guerra aduaneira entre os dois países está a aproximar-se de um fim. Falta, depois, a “Fase 2”, que Trump quer começar já a negociar.

(Notícia atualizada às 16h50)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT disparam mais 4%. Lisboa quebra ciclo de quatro sessões negativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião