5 coisas que vão marcar o dia

Há uma estreia na bolsa. Há novas estatísticas sobre o crédito ao consumo e número de turistas em Portugal. IGCP procura até 1.750 milhões em dívida de curto prazo. EUA e China assinam acordo.

A agenda de quarta-feira está preenchida. A bolsa de Lisboa dá as boas-vindas a uma nova cotada: a Merlin Properties. O Banco de Portugal divulga dados sobre a evolução do crédito ao consumo. Portugal vai ao mercado de dívida num duplo leilão de dívida de curto prazo com o objetivo de arrecadar até 1.750 milhões. O Instituto Nacional de Estatística (INE) atualiza os números da atividade turística. E EUA e China assinam a primeira fase do acordo comercial.

Há mais uma cotada na bolsa

A Merlin Properties estreia-se na bolsa de Lisboa. Esta terça-feira, realizou-se a cerimónia de admissão da empresa do setor imobiliário na Euronext Lisbon, numa cerimónia que contou com a presença de Ismael Clemente, vice-chairman e CEO da recém-cotada lisboeta.

Como evoluiu o crédito ao consumo?

O Banco de Portugal divulga os dados sobre o crédito ao consumo por finalidade que bancos e financeiras concederam no mês de novembro. Em outubro, o crédito dado às famílias para compra de automóveis, férias, bens para o lar, entre outros, atingiu os 726 milhões de euros.

Portugal estreia-se em leilões de dívida

Depois do sucesso da emissão sindicada de dívida, em que obteve um financiamento de 4.000 milhões de euros, Portugal volta aos mercado naquele que será o primeiro leilão de Bilhetes do Tesouro do ano. O IGCP conta arrecadar entre 1.500 e 1.750 milhões de euros em títulos de dívida a seis e 12 meses.

Turismo em alta?

O turismo é uma das principais atividades económicas em Portugal. O INE atualiza os dados sobre o número de turistas que visitaram o país em novembro, incluindo dormidas, hóspedes e receitas da hotelaria.

EUA e China dão primeiro passo para acabar com guerra comercial

Washington e Pequim dão o primeiro passo para colocar um ponto final à guerra comercial que tem colocado frente a frente as duas maiores economias do mundo nos últimos meses. É assinado esta quarta-feira na capital americana a primeira fase do acordo do comércio.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião