Aplicação da Uber passa a integrar transportes públicos em Lisboa

A Uber continua a missão de ser a marca de eleição para coisas do dia a dia. Agora, para além dos carros, passa a integrar os transportes públicos na aplicação.

Da próxima vez que tentar usar a Uber, poderá acabar num autocarro. A aplicação em Portugal vai passar a ter informação “em tempo real” sobre os transportes públicos na região da Grande Lisboa, mostrando alternativas como o “comboio, metro, barcos, ferries, elétricos e autocarros”, anunciou a empresa.

“A Uber passa, a partir de hoje [terça-feira], a disponibilizar informação sobre os transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa na aplicação”, diz a Uber. “Para terem acesso a esta opção na aplicação basta que, ao inserirem o destino, os utilizadores escolham a opção transportes públicos e vão ver em tempo real a estimativa de preços e o planeamento da sua viagem passo a passo”, lê-se num comunicado.

A intenção da empresa é que a Uber passe a ser “a aplicação de mobilidade” de eleição, com todas as principais opções de transporte na região, esperando, ao mesmo tempo, atrair mais clientes para os seus próprios serviços: o transporte privado, as bicicletas Jump e as trotinetas elétricas.

O ECO já testou a funcionalidade. Ao indicar um destino em Lisboa, a aplicação exibiu, entre os diversos serviços da Uber — Uber X, Uber Black, Uber Green, etc. — uma opção para consultar as alternativas nos transportes públicos.

Escolhendo esta opção, para a mesma rota, a Uber exibiu várias rotas alternativas, com os horários e preços estimados dos bilhetes, bem como o tempo que faltava até chegar o autocarro, por exemplo. O interface é idêntico ao do Google Maps, fornecedor dos mapas da Uber:

Capturas de ecrã da aplicação da Uber.

Esta medida da Uber já era esperada, depois de, no ano passado, o presidente executivo da companhia, Dara Khosrowshahi, ter divulgado a ideia de tornar a Uber num “sistema operativo para o quotidiano”. Em Portugal, a Uber também tem integrado cada vez mais a Uber Eats na aplicação principal, permitindo aos utilizadores pedirem um transporte, alugarem uma bicicleta ou trotineta, ou encomendarem uma refeição.

Transportes públicos na Uber é das primeiras apostas do novo diretor

A integração dos transportes públicos na aplicação da Uber é uma das primeiras medidas tomadas já sob a liderança de Manuel Pina, até aqui responsável pela área de apoio ao cliente no mercado sul-europeu. Está no cargo de diretor-geral da Uber Portugal desde o início deste mês, substituindo Rui Bento, que tinha saído há quase um ano.

Numa entrevista ao Observador (acesso pago), Manuel Pina falou desta primeira medida: “Através deste tipo de inovação, deste tipo de produtos, os utilizadores vão poder olhar para a sua próxima viagem não através da forma como vão chegar lá, mas como é que vão chegar lá. […] Acreditamos que juntar isto na aplicação é importantíssimo”, assumiu.

Manuel Pina é o novo diretor-geral da Uber.Uber Portugal

Ao mesmo jornal, Manuel Pina recusou também baixar a comissão cobrada aos motoristas, que se manteve em 25%, mesmo depois de ter decido baixar os preços cobrados aos clientes finais, em média, 10%. “Acreditamos que os temas estão separados”, indicou, garantindo que o alívio do que é cobrado aos motoristas “não está” nos planos da empresa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aplicação da Uber passa a integrar transportes públicos em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião