Espaços de trabalho flexíveis e mais digitais atraem mais talento

Os locais de trabalho do futuro têm de ser mais flexíveis e adaptados à realidade da era digital. Só assim as empresas podem otimizar processos, tornar-se competitivas e atrair talento, defende a IDC.

O futuro competitivo pertence às empresas que souberem tirar partido da transformação digital, da inteligência artificial e machine learning, transformando-se em espaços de trabalho mais flexíveis e digitais. Esta transformação passa por dar recursos a quem trabalha na empresa, adequando-os à individualidade e às necessidades de cada trabalhador.

Esta é uma das conclusões do estudo“Intelligent Digital Workspaces: Enablingthe Future of Work”, da consultora IDC sobre o futuro do trabalho. De acordo com as suas conclusões, ainda há barreiras que impedem as empresas de transformarem os espaços de trabalho em locais mais flexíveis e digitais, e de responder às exigências atuais da força de trabalho.

“Ao nível organizacional e dos trabalhadores, a transformação digital exige que as tecnologias de informação deixem para trás formas de pensar, já obsoletas, sobre como os profissionais trabalham com computadores, software, dados, e repensá-lo num contexto de um espaço de trabalho digital e inteligente”, sublinha Phil Hochmuth, enterprise mobility and client endpoint management da IDC.

Além dos espaços de trabalho inflexíveis em termos tecnológicos, a IDC defende que a liderança muito hierarquizada e rígida, a limitações de atração de talento e a existência de redes de privacidade e segurança desajustadas, são ainda barreiras para a transformação do trabalho.

"A evolução dos ambientes de trabalho nas primeiras duas décadas deste século, não são ágeis, nem dinâmicas o suficiente para permitir que os negócios prosperem, muito menos que continuem a ser competitivos.”

Intelligent Digital Workspaces: Enabling the Future of Work

IDC

A necessidade de tornar os espaços de trabalho mais digitais e flexíveis aumenta à medida que a transformação digital das empresas começa a integrar o ADN de toda a organização e a ter impacto na cultura organizacional. De acordo com a IDC, um dos princípios das organizações deve passar pela transformação “dos trabalhadores num motor de produtividade que faz crescer o valor de negócio”. Para isso, é necessário conseguir atrair e reter o melhor talento e isso só será possível se os indivíduos e as equipas trabalharem em ambientes de trabalho flexíveis, ágeis e tecnológicos, refere o mesmo estudo.

“A evolução dos ambientes de trabalho nas primeiras duas décadas deste século não é ágil nem dinâmica o suficiente para permitir que os negócios prosperem, muito menos que continuem a ser competitivos”, lê-se no estudo.

Espaços de trabalho digitais inteligentes

“O espaço de trabalho digital inteligente é um espaço onde as pessoas, a informação, o conteúdo, a comunidade e o contexto se cruzam com as soluções tecnológicas que os trabalhadores precisam para executar as suas funções”, lê-se no relatório. E qualquer setor e espaço de trabalho que já tenha incorporado a tecnologia digital pode fazer esta transição, defende a IDC.

Neste paradigma de trabalho digital inteligente, o trabalhador é quem está no centro de toda a transformação, destaca o estudo.

As empresas que se tornem digitais e inteligentes e que saibam integrar os conceitos como a IA (inteligência artificial) e machine learning vão ser mais consistentes. Por consequência, o trabalho vai ser mais fluido e colaborativo. Com a ajuda da IA e do machine learning, os processos são automatizados e otimizados, pois será possível distinguir que tarefas podem ser executadas pelas máquinas e pelo trabalhador.

Neste paradigma, o espaço de trabalho contribui para uma maior concentração dos trabalhadores e aumenta a capacidade de aproveitar as oportunidades à medida que vão surgindo.

"Computadores com sistema Windows podem servir para a maioria, mas não para os criativos ou software developers. Tablets low cost ou adaptados ao sistema Android podem ser suficientes em trabalhos de backoffice ou de atividades transacionais, mas para empresas de retalho direto com o cliente, ou serviços bancários, só servirá o iPad mais recente.”

Intelligent Digital Workspaces: Enabling the Future of Work

IDC

De acordo com a IDC, o contacto dos trabalhadores com a tecnologia fora do local de trabalho e a sua integração no seu dia-a-dia vão aumentar as expectativas relativamente ao que a sua empresa pode oferecer. Por parte das empresas, a solução passa por saber disponibilizar estes meios e tornarem-se mais tecnológicas para continuarem a garantir a atração e retenção de talento.

Adaptar a tecnologia

A IDC aponta ainda que a integração da tecnologia deve ser feita de forma cuidada e, acima de tudo, personalizada. Será através dos dispositivos digitais que os trabalhadores vão interagir com o espaço de trabalho e, por isso, cada trabalhador deve ter à disposição ferramentas adequadas às suas necessidades e à sua forma de trabalhar, dependendo do setor em que se insere.

Assim, a empresa deve saber adequar os dispositivos (PC, tablet ou smartphones) e os sistemas de interface (iOS, Android, Windows, Mac, Chrome, Linux), às características de cada trabalhador.

A tecnologia dará à empresa a possibilidade de remover as barreiras que impedem o fluxo de trabalho; de melhorar o acesso à informação para quem trabalha remotamente e dá a oportunidade aos profissionais que precisarem de trabalhar à distância.

“Computadores com sistema Windows podem servir para a maioria, mas não para os criativos ou software developer. Tablets low cost ou adaptados ao sistema Android podem ser suficientes em trabalhos de backoffice ou de atividades transacionais, mas para empresas de retalho direto com o cliente, ou serviços bancários, só servirá o iPad mais recente”, alerta a IDC.

A IDC lembra ainda que os espaços de trabalho flexíveis e digitais poderão contribuir para a atração e retenção de talento, e ser fundamentais para os processos de onboarding. Da mesma forma, podem vir a definir o grau de lealdade e na produtividade do novo trabalhador na empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espaços de trabalho flexíveis e mais digitais atraem mais talento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião