Covid-19: Cinquenta e quatro pessoas detidas por crime de desobediência

  • Lusa
  • 26 Março 2020

Segundo o balanço realizado pela Administração Interna, cinquenta e quatro pessoas foram detidas, até às 18h00 desta quinta-feira, por crime de desobediência.

Cinquenta e quatro pessoas foram detidas, até às 18h00 desta quinta-feira, por crime de desobediência, anunciou o Governo num balanço atualizado sobre o incumprimento do estado de emergência devido à pandemia da covid-19.

As pessoas foram detidas, nomeadamente, por violação da obrigação de confinamento obrigatório e por “outras situações de desobediência ou resistência”, refere o Ministério da Administração Interna, numa nota à comunicação social, acrescentando que foram encerrados 1031 estabelecimentos por “incumprimento das normas estabelecidas”.

As medidas que concretizam o estado de emergência em Portugal entraram em vigor no domingo, sendo fiscalizadas pela PSP e GNR.

A lista de medidas inclui o confinamento obrigatório, em hospitais ou em casa, dos doentes com covid-19 e das pessoas em vigilância ativa e o encerramento de estabelecimentos comerciais que não vendam bens essenciais, como alimentação ou medicamentos.

O Ministério da Administração Interna “reitera o apelo a todos os cidadãos para o escrupuloso cumprimento das medidas impostas pelo estado de emergência, contribuindo assim para conter a propagação da pandemia”.

O estado de emergência, decretado pelo Presidente da República, vigora até 02 de abril.

Portugal regista 60 mortes e 3.544 infeções, segundo o balanço feito esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde. Das pessoas infetadas, 191 estão internadas, 61 das quais em unidades de cuidados intensivos hospitalares, havendo 43 doentes que já recuperaram desde que a covid-19 foi confirmada no país, em 02 de março.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Cinquenta e quatro pessoas detidas por crime de desobediência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião