Covid-19: Rock ‘n’ Law apoia três causas diferentes. Saiba como ajudar aqui

O Rock 'n' Law - parceiro do ECO/Advocatus - mobilizou-se e apresentou este projeto 'extra' face ao contexto atual: "A tocar pela saúde de todos, em casa!". O objetivo é apoiar três causas diferentes.

O Rock ‘n’ Law lançou a iniciativa solidária “A tocar pela saúde de todos, em casa!”, face à pandemia Covid-19 que está a provocar mais mortos e infetados a cada dia que passa. A iniciativa foi lançada nas redes sociais da organização e pretende apoiar três causas diferentes distribuídas por quatro projetos: ajudar a alimentar, ajudar no fornecimento de equipamentos de proteção para os profissionais de saúde nos hospitais e ainda ajudar na construção de um hospital de campanha.

“Num mundo que hoje sabemos que era quase perfeito e não sabíamos, estaríamos a lançar o Rock ‘n’ Law 2020 e a preparar a grande festa solidária. Mas o mundo mudou e precisa, mais do que nunca, de todos. O Rock ‘n’ Law é, antes de qualquer outra coisa, uma iniciativa solidária“, refere a organização nas redes sociais.

O Rock ‘n’ Law, que junta na mesma festa várias sociedades de advogados concorrentes por uma causa, tem ao longo dos últimos 11 anos mobilizado milhares de pessoas a apoiar causas solidárias. Só na última edição, em parceria com o ECO/Advocatus, juntou 1.650 pessoas e angariou cerca de 81 mil euros para a Associação Nossa Senhora do Mar. Desta forma, acreditam que, agora, é o momento de agirem como comunidade.

O Rock ‘n’ Law vai partilhar nas redes sociais, durante as próximas semanas, vários momentos musicais protagonizados por advogados. “Ponham uns fones, escondam-se do homeschooling ou parem o teletrabalho por cinco minutos e ouçam os nossos músicos, que tocam para nos incentivar a apoiar causas que estão mesmo a precisar da nossa ajuda”, refere a organização no Instagram. Pode espreitar já alguns momentos aqui.

Perante o contexto atual, a organização decidiu lançar este projeto ‘especial’ e fora de tempo para ajudar os que mais precisam e a comunidade médica.

“Selecionámos três causas para apoiar e têm quatro projetos à escolha para apoiar na forma que vos parecer melhor: alimentação, apoiar os heróis da Saúde com a compra de equipamentos e proteção e ajudar na construção de um hospital de campanha”, explica a organização.

Ajudar a alimentar

Uma das causas que o Rock ‘n’ Law se juntou é a “Ajudar a alimentar”. Assim, os organizadores apresentaram dois projetos distintos: a Rede de Emergência Alimentar e a Comunidade Vida e Paz.

A Rede de Emergência Alimentar é promovida pelo Banco Alimentar e pela ENTRAJUDA e recolhe e entrega alimentos a quem mais precisa. Desta forma, a organização apresenta várias formas de ajudar esta instituição:

  • Voluntariado: consiste no levantamento de alimentos ao Banco Alimentar para entregar a instituições, no levantamento de refeições confecionadas a outros locais para entrega a casa de uma pessoa com carências alimentares, e na entrega de cabazes de produtos alimentares a casa de pessoas com carências alimentares;
  • Doar alimentos ou produtos de higiene;
  • Donativos económicos, que depois serão utilizados para a compra de alimentos básicos para reforçar os cabazes entregues às famílias.

Já a Comunidade Vida e Paz apoia pessoas em situação sem-abrigo e está a necessitar de produtos alimentares e equipamentos de proteção para quem os acompanhada e cuida. Pode ajudar esta instituição através:

  • Oferta de produtos alimentares: leite, iogurtes, manteiga, mortadela, queijo, fiambre, compotas, enlatados, cereais, fruta, legumes, massa, arroz, feijão, entre outros. A entrega pode ser efetuada na Rua Domingos Bomtempo, nº7, deixar à entrada, depois dos portões, todos os dias das 9h00 às 20h00.
  • Oferta de equipamento de proteção: máscaras, luvas desinfetantes. A entrega pode ser efetuada na Rua Domingos Bomtempo, nº7, deixar à entrada, depois dos portões, todos os dias das 9h00 às 20h00.
  • Voluntariado: consiste na recolha de bens durante o dia (donativos materiais), distribuição de refeições durante a noite, preparação de sandes (sábado de manhã).
  • Donativos monetários.

Ajudar no fornecimento de equipamentos de proteção para os profissionais de saúde nos hospitais

Outra das formas que o Rock ‘n’ Law considera que pode ajudar a comunidade é no fornecimento de equipamentos de proteção para os profissionais de saúde nos hospitais. A organização apoia o Hospital Dona Estefânia e o movimento civil SOS.Covid19.Portugal.

“O Hospital Dona Estefânia, Hospital Pediátrico em Lisboa, vive uma situação muito difícil, não dispondo de verba para aquisição de equipamento de proteção dos seus profissionais. Faltam luvas, máscaras, fatos de proteção, etc”, refere a organização.

Para ajudar esta unidade hospitalar, o advogado Agostinho Miranda da Miranda & Associados criou um fundo de solidariedade gerido por si com o montante inicial de 5.000 euros. Qualquer cidadão pode contribuir também para este fundo, basta fazer um donativo para o IBAN: PT 50 0018 000 3515 3956 7020 07, do titular FLORES DE BENGUELA.

Também o movimento civil SOS.Covid19.Portugal pretende angariar donativos para comprar equipamentos de saúde em falta, como máscaras, óculos e batas. Desta forma, lançou uma campanha de angariação de fundos através da plataforma de crowdfunding “GoFundMe”.

Os equipamentos adquiridos pelo movimento serão entregues a profissionais de saúde dos hospitais públicos de São João, no Porto, Santa Maria, em Lisboa, e Garcia de Horta, em Almada.

Ajudar na construção de um hospital de campanha

Por fim, a iniciativa solidária Rock ‘n’ Law pretende ajudar na construção de um hospital de campanha. Para tal basta fazer um donativo para a Cruz de Malta de Portugal, entre 19 e 29 de março, para a conta solidária seguinte: IBAN: PT 50 0035 0391 0001 4672 630 15.

O “CONVIDA 19 #TODOSPORUMACAUSA” está a angariar donativos de forma a adquirir um Hospital de Campanha que vai fazer face às necessidades dos hospitais nacionais de 1ª e 2ª linha de Portugal no combate à pandemia Covid-19.

A organização do Rock ‘n’ Law conta com as seguintes sociedades: Abreu Advogados; CMS Rui Pena & Arnaut; Cuatrecasas; DLA Piper ABBC; F. Castelo Branco & Associados; Garrigues; Gómez – Acebo & Pombo; Linklaters; Morais Leitão; PLMJ; SRS Associados; Sérvulo & Associados; Uría Menéndez-Proença de Carvalho e Vieira de Almeida.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Rock ‘n’ Law apoia três causas diferentes. Saiba como ajudar aqui

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião