Merlin admite moratória nas rendas do Almada Fórum. “Não será uma carência a 100%”, diz João Cristina

A SOCIMI está a ponderar suspender as rendas dos ativos comerciais e hoteleiros que detém devido à crise do coronavírus. Antecipa um impacto no imobiliário e prevê uma recuperação apenas em 2021.

A Merlin Properties admite suspender as rendas do Almada Fórum, centro comercial do qual é proprietária desde 2018, bem como de cerca de uma dezenas de lojas de rua que detém em Lisboa, adiantou ao ECO o diretor-geral em Portugal, João Cristina. A acontecer, essa suspensão dependerá do âmbito de encerramento dessas atividades, uma medida que também se aplica a Espanha, mas apenas ao setor retalhista e hoteleiro.

“Não somos insensíveis ao que se está a passar [crise devido ao coronavírus] e às atividades que estão obrigadas a encerrar. Haveremos de ajudar os nossos clientes de alguma forma. Mas não será uma carência a 100%, tem de haver alguma proporcionalidade“, explicou o responsável da Merlin em Portugal. “Uma carência de rendas parece-me desproporcionada porque passa o ónus para cima de nós e os proprietários têm os seus negócios e obrigações”, continua.

“Naturalmente, dentro da nossa política comercial, teremos algumas concessões aos lojistas e operadores que mais precisam”, disse João Cristina, detalhando que isso inclui “todos os espaços com uso comercial ou retalho”. Em território nacional, estão abrangidos o Almada Fórum e “cerca de dez lojas de rua” espalhadas pela capital, como por exemplo no Parque das Nações.

Mas, a haver uma suspensão das rendas, esse processo será feito após uma análise “caso a caso”. Isto é, a Merlin vai analisar “quais as atividades que estão obrigadas a encerrar e as que podem abrir” se aqui o quiserem. Por exemplo, no Almada Fórum, lojas como os supermercados continuam a sua atividade, e outras como grandes cadeias têxteis continuam a vender online. Tudo isso será tido em conta. “Não estamos a falar de dar carências cegas a todos, mas às atividades que são diretamente impactadas pela obrigações do encerramento. Teremos muito cuidado na análise”, afirmou o diretor-geral.

João Cristina revelou ao ECO que a Merlin tem sido contactada pelos próprios inquilinos nesse sentido — “alguns clientes têm-nos pedido desconto das rendas” –, e a empresa está a ter isso em conta. “Não posso dizer que vai ser uma suspensão cega a todos os lojistas, porque, seguramente, isso não vai acontecer”, afirmou. Esta medida está também a ser estudada em Espanha, onde a SOCIMI tem sede, mas apenas para os ativos do retalho e do setor hoteleiro. Em Portugal, a empresa não é, para já, proprietária de nenhuma unidade hoteleira.

Há dias, o CEO da Merlin, Ismael Clemente, já tinha adiantado que esperava uma quebra inferior a 10% nas rendas devido ao surto de coronavírus. “Considerando (…) o ónus da situação difícil atual com os inquilinos nos locais e empresas que não podem abrir ao público, e assumindo que o encerramento ordenado pelas autoridades dura até 31 de julho, o impacto nas rendas brutas previstas para 2020 será inferior a 10%“, referiu, na altura, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Apesar disso, a empresa, que entrou recentemente para a bolsa de Lisboa, afirmou estar preparada para enfrentar essa situação, dado que 94,8% dos imóveis que detém estão ocupados. “A Merlin Properties beneficia de um sólido património para superar este período desafiante”. No ano passado, de acordo com as contas apresentadas, a SOCIMI espanhola encaixou 525,9 milhões de euros com rendas brutas.

“Haver uma recuperação este ano será muito difícil”

Para João Cristina, ainda “é muito prematuro falar do impacto” deste crise de coronavírus na economia e, sobretudo, na empresa. “Óbvio que terá impacto. Vai ter impacto nos nossos clientes e acabará por ter impacto nos nossos negócios, assim como em toda a economia”, disse ao ECO, referindo que a Merlin não está, por enquanto, a pensar recorrer a alguma linha de financiamento, tanto do Governo português como do Governo espanhol.

Já para o setor, o responsável antecipa um cenário pouco positivo. “Ao nível do mercado de capitais (investimento), haverá seguramente muitos processos de venda que, muito possivelmente, serão paralisados. Não deve ser surpresa para ninguém que os números do investimento este ano serão bastante menos simpáticos do que os do ano passado e do que os de 2018“, disse.

Afirmando que o futuro está dependente de muitos fatores, que estão fora do controlo dos players do mercado, o diretor-geral da Merlin acrescenta: “A profundidade da correção [de preços] acabará por ocorrer, mas temos que, dependendo do tempo que isto leve, essa correção possa demorar. Creio que este ano a recuperação será muito difícil. Talvez no próximo ano“, confidenciou.

A Merlin tem uma carteira de ativos imobiliários avaliada em 12,7 mil milhões de euros e estreou-se em Portugal em 2015 — onde é atualmente um dos maiores proprietários em termos de metros quadrados — com a compra do Edifício Caribe, no Parque das Nações, por 18 milhões de euros. A essa aquisição seguiram-se outras, nomeadamente o Edifício Monumental (que está a ser reabilitado atualmente), o Almada Fórum (406,7 milhões) e a sede da Nestlé, em Linda-a-Velha, por 12,5 milhões.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merlin admite moratória nas rendas do Almada Fórum. “Não será uma carência a 100%”, diz João Cristina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião