5 coisas que vão marcar o dia

O dia ficará marcado pelo prolongamento do estado de emergência no país. Fica ainda para a história como o primeiro dia do lay-off de 90% dos trabalhadores da TAP.

O Conselho de Ministros vota hoje as novas medidas que deverão fazer parte do prolongamento do estado de emergência por mais 15 dias, que se espera que seja aprovado pelo Parlamento e anunciado por Marcelo Rebelo de Sousa. É também hoje que começa o período de lay-off na TAP.

Marcelo decreta prolongamento do estado de emergência. Governo discute medidas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deverá decretar o prolongamento do estado de emergência em Portugal por mais 15 dias, uma decisão que surge face à continuidade da pandemia do coronavírus e para evitar o “aumento de contactos” no período da Páscoa. O decreto presidencial já mereceu o apoio do Governo e tudo indica que também vá ser aprovado no Parlamento. À tarde reunirá o Conselho de Ministros para discutir as medidas que concretizarão esse prolongamento, na tentativa de travar a propagação da doença Covid-19 no país.

TAP avança para lay-off. 90% dos trabalhadores ficam a partir de hoje em casa

Começa hoje o período de lay-off na TAP, no qual 90% dos cerca de 10 mil trabalhadores da companhia aérea são dispensados do trabalho e ficam a receber 2/3 da remuneração fixa mensal, enquanto os restantes 10% serão alvo de uma redução de 20% na carga horária. Perante a disrupção gerada pelo novo coronavírus, a empresa reduziu esta quarta-feira a operação a um pequeno conjunto semanal de voos para a Terceira e Ponta Delgada (Açores) e para o Funchal (Madeira), no sentido de “assegurar a continuidade territorial”. Todas as demais rotas foram suspensas.

Comissão de economia vota apoios para os arrendatários

Também no Parlamento, a Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação irá apreciar e votar um parecer relacionado com a proposta de lei do Governo que inclui medidas de apoio para os arrendatários. Entre elas está a suspensão da caducidade dos contratos de arrendamento até 30 de junho, para evitar que os inquilinos que tenham contratos prestes a expirar tenham de procurar uma nova habitação nesta fase da pandemia do coronavírus.

Setor discute “impacto do Covid-19” no turismo e hotelaria

A Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal promove esta quinta-feira uma conferência digital, a qual avaliará “o impacto do Covid-19” no setores do turismo e da hotelaria. Esta iniciativa digital contará com a participação da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, numa altura em que os negócios ligados a estas duas áreas estão sob forte pressão por causa das restrições aplicadas na sequência da pandemia.

Indicadores vão lançar luz sobre o impacto da pandemia

Com o mês de março já terminado, os investidores irão conhecer novos dados que permitirão aferir a real dimensão do impacto do coronavírus na economia. Espanha dará a conhecer a mudança do desemprego em março de 2020, esperando-se também novos dados sobre o comportamento do mercado laboral norte-americano no mês que agora terminou. A OCDE deverá divulgar estatísticas sobre a inflação e o Eurostat publicará o índice e preços na produção industrial no mercado inteiro em fevereiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião