📹 Como o Facebook transforma os seus dados em dinheiro

O Facebook é gratuito, mas lucra milhares de milhões de dólares todos os anos. Já pensou como é que isto acontece? Conheça o segredo por detrás da "máquina" criada por Mark Zuckerberg.

Ninguém tem de pagar para usar o Facebook. Mesmo assim, a rede social lucra milhares de milhões de dólares todos os anos. Já pensou como é que isto acontece?

Diz-se que os dados pessoais são o “novo petróleo”. E isso espelha-se no valor de mercado do Facebook: vale mais do dobro da petrolífera Exxon Mobil. A chave está na “máquina” desenhada por Mark Zuckerberg. Uma máquina que transforma os nossos dados em dinheiro. Como? Veja o vídeo:

Tudo começa com o formulário que é preciso preencher para criar uma conta na plataforma. Nele, o Facebook pede informações básicas, como o nome, data de nascimento ou e-mail. Aberta a conta, a empresa não tarda a querer saber mais sobre o Facebook: onde o utilizador vive, com quem se dá ou quais os seus passatempos.

À medida que o Facebook vai aprendendo mais e mais sobre os utilizadores, o algoritmo vai-lhes apresentando cada vez mais conteúdo de potencial interesse. Isto gera um ciclo em que o utilizador vai ficando cada vez mais cativado pela rede social: um like aqui, um comentário ali, e o algoritmo vai sendo alimentado com mais informação sobre os utilizadores.

Ora, esta informação é o segredo do negócio. Sobretudo, do negócio da publicidade, que é o principal foco do Facebook. Com os dados pessoais dos utilizadores, o Facebook é capaz de cobrar mais aos anunciantes em campanhas cirurgicamente orientadas. Por exemplo, se o algoritmo sabe que o João gosta muito de bicicletas, provavelmente vai exibir anúncios de bicicletas, na esperança de gerar uma compra por parte do João.

Este método é chamado “segmentação”. Enquanto os anúncios classificados num jornal em papel impactam da mesma forma todos os leitores, a publicidade no Facebook é exibida de forma mais eficaz a quem o algoritmo considere ser mais provável conseguir converter na ação pretendida.

Mas este negócio não funciona apenas com produtos. É também usado em pedidos de donativos e até em campanhas políticas — algo que o Facebook tem insistido em manter, apesar de alguns concorrentes, como o Twitter, terem decido banir por completo.

Com perto de 2,5 mil milhões de utilizadores ativos mensalmente em todo o mundo, o Facebook tornou-se uma das maiores e mais precisas bases de dados pessoais do planeta. A relevância desta informação, assim como o seu real valor, ficou mais evidente em 2018, quando se soube que uma empresa privada, chamada Cambridge Analytica, usou indevidamente os dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook para ajudar a eleger Donald Trump como Presidente dos EUA.

Desde então, o Facebook tem estado debaixo de fogo, com os utilizadores e entidades terceiras a exigirem que Mark Zuckerberg tome medidas que ajudem a proteger melhor a informação dos utilizadores, mas também a travar conteúdos ilegais na plataforma ou discursos de ódio.

Por sua vez, Zuckerberg avançou com a intenção de criar uma espécie de “tribunal” independente com capacidade para decidir que conteúdo deve ou não fazer parte da rede social. Isto é particularmente relevante, uma vez que é o conteúdo que “prende” os utilizadores ao Facebook — e, simultaneamente, o que faz com que a empresa consiga, de trimestre para trimestre, continuar a subir as receitas na ordem dos dois dígitos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

📹 Como o Facebook transforma os seus dados em dinheiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião