PwC tem novos partners para Portugal, Angola e Cabo Verde

A consultora PricewaterhouseCoopers nomeou Ana Doroana, Catarina Pereira, Manuel Conde e Maurício Henriques Brito, que já trabalhavam na consultora, como partners para Portugal, Angola e Cabo Verde.

Ana Doroana, Catarina Pereira, Manuel Conde e Maurício Henriques Brito.

Ana Doroana, Catarina Pereira, Manuel Conde e Maurício Henriques Brito são os novos partners da Pricewaterhouse Coopers (PwC), para Portugal, Angola e Cabo Verde. Os novos nomeados já trabalhavam na empresa.

Ana Doroana tem 43 anos e é partner de financial services risk & regulation na PwC, desde 2015. Acumula uma experiência profissional de 20 anos, repartida entre um grupo bancário pertencente ao top-3 nacional e a PwC. É licenciada em Matemática e Ciências Atuariais pela FCT da Universidade Nova de Lisboa e tem uma pós-graduação em Análise Financeira pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG).

Catarina Pereira entrou na PwC em 2003, para o departamento de auditoria e, entre 2010 e 2012, teve uma experiência internacional no escritório da PwC em São Paulo, que lhe valeu aprendizagens chave. Atualmente, lidera o trabalho de auditoria de importantes clientes e a gestão dos recursos humanos do escritório do Porto. É licenciada em economia pela Faculdade de Economia do Porto, Catarina Pereira fez o curso de Revisora Oficial de Contas (ROC) em 2009, tem formação em International Financial Reporting (DIPIFR), pela Association of Chartered Certified Accountants (ACCA).

Manuel Conde integrou a PwC em 2019 com um negócio de consultoria. Acumula 25 anos de experiência como consultor tecnológico e passou por empresas globais em Portugal, Espanha, Reino Unido e Holanda, desenvolvendo inovação através de tecnologia. É licenciado em informática de gestão e tem uma pós-graduação em gestão de sistemas de informação pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG).

Maurício Henriques Brito entra na PwC em 2013 e atualmente é sócio no departamento de tax reporting & strategy, onde é responsável por esta unidade de negócio em Luanda e em Lisboa pelas indústrias de consumer markets & retail, construction & engineering, transportation & logistic and energy & resources. É licenciado em contabilidade e auditoria, é membro da Ordem dos Contabilistas Certificados e formador certificado com o Certificado de Competências Pedagógicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PwC tem novos partners para Portugal, Angola e Cabo Verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião