Quatro firmas de advogados assessoram aumento de capital da EDP. Duas são portuguesas

Morais Leitão, Vieira de Almeida, Allen & Overy e Clifford Chance foram as quatro sociedades de advogados envolvidas no aumento de capital da EDP.

O aumento de capital da EDP, mediante oferta pública de subscrição de ações no valor de cerca de 1.020 milhões de euros, foi assessorado por quatro sociedades de advogados, sendo duas delas portuguesas: a Morais Leitão e Vieira de Almeida (VdA). Também presentes na operação estiveram as firmas Allen & Overy e Clifford Chance.

A EDP, na qualidade de entidade emitente, foi assessorada pela Morais Leitão e também pela Clifford Chance. A sociedade liderada por Nuno Galvão Teles contou com a participação da sua equipa de corporate, M&A, mercado de capitais e energia liderada pelo sócio Ricardo Andrade Amaro e com a colaboração dos sócios Nuno Galvão Teles e Carlos Osório de Castro e os advogados Diana Ribeiro Duarte e Pedro Capitão Barbosa.

Ricardo Andrade Amaro é sócio da Morais Leitão e responsável pela equipa de corporate.

Já a VdA e a Allen & Overy LLP assessoraram o BCP, enquanto intermediário financeiro responsável pela assistência à oferta. A equipa multidisciplinar de direito financeiro e energia da firma liderada por João Vieira de Almeida foi coordenada pelo sócio Pedro Cassiano Santos, e incluiu ainda os sócios José Pedro Fazenda Martins, Hugo Moredo Santos, Ana Luís de Sousa e Tiago Correia Moreira. A operação contou também com outros dois coordenadores globais da oferta, a J.P. Morgan e a Morgan Stanley.

Pedro Cassiano Santos é sócio responsável da área bancário & financeiro da Vieira de Almeida.

“Este aumento de capital registou uma procura total de cerca de 256% do montante da oferta, pelo que foi totalmente subscrito e correspondeu, para a EDP, a um encaixe financeiro de Euro 1.020.172.800″, referem as firmas em comunicado.

As ações agora emitidas deverão ser admitidas à negociação no mercado regulamentado Euronext Lisbon no dia 17 de agosto de 2020, ou em data aproximada, após o registo comercial do aumento de capital junto da conservatória do registo comercial.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro firmas de advogados assessoram aumento de capital da EDP. Duas são portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião