Quem é gestor com o melhor salário em Portugal? E lá fora?

Se em Portugal é a cotada mais valiosa da bolsa a ter o líder mais bem pago, lá fora é uma estrela em ascensão.

Encontrar um líder de topo não é fácil e para o fazer é preciso pagar bem. Em Portugal, o mais bem pago foi, até ao ano passado, o CEO da EDP, mas os dois milhões de euros que recebeu António Mexia em 2019 não se comparam aos valores das remunerações que se encontram lá fora: o patrão da Tesla arrecadou mais de 500 milhões de euros em prémios.

Mexia está há vários anos no topo da lista dos gestores mais bem pago do país. No total, recebeu 2,17 milhões de euros brutos em 2019, apesar de o montante ter encolhido 1,5% face aos 2,2 milhões de euros recebidos em 2018.

A remuneração fixa fixou-se em 1.015.024 euros, enquanto a remuneração variável plurianual ascendeu a 826.407 euros. Ambos aumentaram face ao ano anterior pelo que a grande diferença no rendimento de Mexia está na remuneração variável anual, que caiu para quase metade: 325.032 euros.

Mas não é certo que Mexia se mantenha nessa posição. É que o gestor tem atualmente as funções suspensas por ordem judicial. Em causa está o caso das rendas excessivas que tem sete arguidos, incluindo o CEO da EDP e o CEO da EDP Renováveis, João Manso Neto, sendo que a medida de coação aplicada aos dois gestores implica a suspensão de funções.

A decisão de manter ou não a remuneração devida para este ano é tomada pela Comissão de Vencimentos da elétrica, que é presidida por Shengliang Wu, em representação da China Three Gorges. Ou seja, em última instância, será Shengliang a decidir se Mexia será ou não remunerado durante a suspensão. O ECO tentou contactar a Comissão de Vencimentos da EDP, mas não obteve resposta.

Se em Portugal é a cotada mais valiosa da bolsa a ter o líder mais bem pago, lá fora é uma estrela em ascensão. A Tesla ainda está longe de ser a empresa com mais peso em Wall Street, mas tem sido uma das que mais valoriza nos últimos anos e, a cada dólar somado ao preço das ações, alargam os bolsos do CEO Elon Musk.

Segundo o Bloomberg Pay Index, o titã dos carros elétricos foi o gestor mais bem pago de Wall Street em 2019. Terá recebido um total de 595,3 milhões de dólares (cerca de 502,5 milhões de euros) no ano passado, de acordo com as estimativas da agência, mas neste caso não é linear. O montante está na totalidade relacionado com prémios e, em teoria, o salário de Musk é de… zero dólares.

Ao contrário de outros CEO, Elon não tem salário, não tem bónus em cash nem ações recebidas só porque o tempo passa. A sua única compensação é um prémio de performance que foi especificamente desenhado com ambiciosos marcos a atingir, como duplicar a capitalização de mercado”, explicava a empresa ao Business Insider sobre o salário de zero dólares em 2018.

Segundo as contas da Bloomberg, no ano passado (em que as ações da Tesla valorizaram 25,7%), os prémios de desempenho deram a Musk uma remuneração de 595,3 milhões e colocaram-no no topo dos mais bem pagos. Este ano, o excêntrico gestor já se tornou o quarto mais rico do mundo e as ações acumulam uma valorização de 350%.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem é gestor com o melhor salário em Portugal? E lá fora?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião