Portugal Fashion regressa ao Porto com menos 80% do público nos desfiles

  • Lusa
  • 11 Outubro 2020

O Portugal Fashion regressa na quinta-feira ao Porto, mas num modelo diferente e com menos público, conjugando desfiles presenciais e outros transmitidos através da internet.

O Portugal Fashion regressa na quinta-feira ao Porto com um corte de 80% no número de espectadores e num modelo especial onde se vão conjugar desfiles presenciais ao ar livre e desfiles via internet devido à Covid-19.

Em ano de celebrar o 25.º aniversário e após o evento ter sido suspenso em março por causa do coronavírus, o Portugal Fashion regressa agora para três dias dedicados à moda portuguesa com desfiles no edifício da Alfândega do Porto, mas também no Hotel Neya e no Café Vogue, num modelo de apresentação diferente do habitual devido à pandemia com o corte de 80% no público nos desfiles presenciais e a realização de outras apresentações online.

O primeiro dia arranca às 12h00, com a apresentação da nova coleção primavera/verão 2020/21 da marca portuguesa Sophia Kah. O desfile, que vai decorrer no Neya Porto Hotel, com vista para o rio Douro e a 350 metros do edifício da Alfândega do Porto, vai ter um número limitado de público, com acesso só por convite.

O Portugal Fashion continua durante toda a tarde no edifício da Alfândega, com desfiles presenciais do jovem designer João Sousa (14h00), no espaço Bloom, seguido pelo desfile presencial e em formato vídeo do designer David Catalán (15h00), e depois o desfile presencial de Vírus e Carolina Sobral (16:00), no espaço Bloom.

A designer Katty Xiomara apresenta a sua nova coleção às 17h00 num modelo de desfile presencial e em vídeo, seguida pelo desfile também presencial do criador Estelita Mendonça (18h00).

O primeiro dia da 47.ª edição do Portugal Fashion encerra com o desfile da marca portuguesa Ernest W. Baker — estreante no Portugal Fashion —, que fez parte, em julho, do calendário oficial da Semana de Moda de Paris, e está à venda em Itália, Canadá, Japão, Hong Kong, China e Coreia do Sul

Nunca foi tão importante “proteger o talento nacional”

Para a diretora do Portugal Fashion, Mónica Neto, talvez nunca como nunca nestes 25 anos de Portugal Fashion foi tão importante “proteger o talento nacional”. “Não me parece que haja melhor maneira do que esta de assinalar o 25.º aniversário”, considerou.

O segundo dia do Portugal Fashion vai ter como “cabeça de cartaz” o desfile do ‘designer’ Miguel Vieira, que vai acontecer a partir das 20h30 no café Vogue, junto à Praça Filipa de Lencastre e à Avenida dos Aliados.

Ainda no dia 16 de outubro estão previstos decorrer os desfiles presenciais de Inês Torcato (15h00), de Maria Gambina (17h00) e da marca Pé de Chumbo (18:00), na Alfândega.

A designer Susana Bettencourt estará no Hotel Neya às 12:00 para se apresentar via digital e por marcação. A marca de joias Together We Stand apresenta os seus novos trabalhos pelas 12:30, também no Neya Porto Hotel, via digital e por convite.

O último e terceiro dia da 47.ª edição do PF termina na Alfândega do Porto com os desfiles presenciais da dupla de ‘designers’ Alves/Gonçalves (20:00), Luís Onofre (18:00), Hugo Costa (15:00), Júlio Torcato (14:00) e Alexandra Moura (12:30).

Para amortecer os efeitos da crise sanitária e económica na fileira da moda, o Portugal Fashion destaca três iniciativas direcionadas para a promoção de vendas e a dinamização de negócios, designadamente o protocolo com a Câmara Municipal do Porto, acordos com plataformas de e-commerce e a parceria com a Lupabiológica.

O Portugal Fashion e a Câmara Municipal do Porto assinaram um protocolo que define o “apoio institucional” da autarquia ao evento, garantindo recursos acrescidos para reforçar a posição daquela organização no ecossistema de moda nacional e internacional, fortalecendo “dinâmicas da cidade/região enquanto hub de inovação, empreendedorismo, manufatura, exportações, criatividade e cultura”, explica a estrutura.

A 46.ª edição, em março, foi interrompida, no âmbito da prevenção da pandemia de covid-19.

O Portugal Fashion é um projeto da responsabilidade da Associação Nacional de Jovens Empresários, que conta com o apoio dos seus parceiros estratégicos e é cofinanciado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 – Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, com fundos provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Fashion regressa ao Porto com menos 80% do público nos desfiles

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião