Deloitte fecha quatro escritórios no Reino Unido e adota teletrabalho permanente

Os 500 trabalhadores dos escritórios da consultora em Gatwick, Liverpool, Nottingham e Southampton, no Reino Unido, vão transitar para teletrabalho permanente.

A consultora Deloitte vai encerrar os escritórios em Gatwick, Liverpool, Nottingham e Southampton, no Reino Unido, e colocar 500 pessoas em teletrabalho permanente. De acordo com a empresa, a pandemia forçou a consultora a acelerar a revisão sobre o portefólio imobiliário no Reino Unido, onde fica agora com 46 escritórios, avança o Business Insider (acesso livre, conteúdo em inglês).

Todos os trabalhadores vão manter os seus postos de trabalho, sem qualquer alteração nos contratos de trabalho.

A notícia sobre o encerramento dos escritórios foi avançada em primeira mão pelo Financial Times (acesso condicionado) e a consultora garante ainda que o fim dos escritórios não vai interferir com a sua atividade naquelas regiões do país. Atualmente, a Deloitte emprega 19.000 pessoas no Reino Unido.

Em Portugal, a Deloitte tinha a decorrer até 30 de setembro, devido à pandemia, um “regime opcional de redução de carga horária”, mas até à data não é conhecida qualquer decisão de teletrabalho permanente para os trabalhadores portugueses.

Esta decisão acompanha outras de grandes empresas um pouco por todo o mundo que estão a adiar o regresso aos escritórios. A Microsoft anunciou este mês que vai permitir que vai implementar o teletrabalho permanente no pós-pandemia, desde que os trabalhadores tenham a aprovação dos seus superiores e as funções assim o permitam.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deloitte fecha quatro escritórios no Reino Unido e adota teletrabalho permanente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião