Goldman Sachs cria plataforma de negociação em Paris antes do Brexit

  • ECO
  • 24 Novembro 2020

O banco americano está a estudar criar uma plataforma europeia de negociação de ações para assegurar que os seus clientes podem continuar comprar e vender ações mesmo sem um acordo pós-Brexit.

O Goldman Sachs está a estudar a criação de uma plataforma europeia de negociação de ações para assegurar que os seus clientes podem continuar comprar e vender ações mesmo sem um acordo pós-Brexit que permite negociar a partir de Londres, avança a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Para o efeito, o banco americano deu entrada junto dos reguladores franceses com a plataforma SIGMA X Europe. Esta plataforma deverá arrancar antes do dia 4 de janeiro, estando sujeita à aprovação das autoridades regulatórias. “É extremamente importante para nós ter os recursos disponíveis para todos os nossos clientes para responder ao que acreditamos que será uma mudança no cenário de liquidez na Europa e no Reino Unido pós-Brexit“, adiantou Elizabeth Martin, chefe global de futuros e ações da área de trading do Goldman Sachs.

Segundo antecipa Elizabeth Martin, com a saída da União Europeia, Londres deverá perder a maioria do volume de ações transacionadas no mercado do bloco comunitário. Cerca de um terço das negociações de ações europeias são transacionadas em Londres, com uma média de 26,6 mil milhões de euros negociados por dia em outubro, de acordo com dados da Cboe, citados pelo mesmo jornal.

A confirmar-se, o Goldman Sachs vai juntar-se aos rivais Cboe Europe e London Stock Exchange Group Plc, na criação de locais em cidades europeias para evitar interrupções causadas pelo Brexit até ao final do ano, numa altura em que o Reino Unido perde os direitos automáticos de albergar a maioria das ações da UE para clientes dentro do bloco comunitário.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Goldman Sachs cria plataforma de negociação em Paris antes do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião