Maiores fortunas do mundo cresceram 880 milhões por dia em plena pandemia

Jeff Bezos, CEO da Amazon, é novamente o homem mais rico do mundo. Mas quem mais ganhou em 2020 foi Elon Musk, o excêntrico líder da Tesla que beneficiou do disparo de 665% no valor das ações.

Jeff Bezos, Elon Musk ou Bill Gates são nomes conhecidos internacionalmente por estarem na vanguarda dos avanços tecnológicos. São também os atuais líderes do ranking dos mais ricos do mundo. Num ano que fica marcado pela pandemia de Covid-19 e pela crise económica que esta causou, as fortunas dos multimilionários não foram afetadas. Pelo contrário, até aumentaram.

A dias do fim de 2020, o Bloomberg Billionaires Index mostra que a fortuna conjunta das dez pessoas mais ricas do mundo situa-se em 1,09 biliões de dólares, valor que supera os 828,2 mil milhões de dólares em ativos detidos pelos líderes deste ranking no final de 2019. As dez personalidades que estão no topo da classificação acumularam mais 315,5 mil milhões de dólares ao longo de 2020, o que equivale, em média, a 881,3 milhões de dólares por dia.

O início do surto lançou o pânico nos mercados financeiros, que perderam milhares de milhões de dólares em março. No entanto, os investidores acabaram por incorporar o efeito do coronavírus nas economias, emprego e resultados das empresas, acalmando a tensão. Em simultâneo, houve setores que beneficiaram, como é o caso da tecnologia, e este foi um fator-chave para explicar o desempenho das fortunas mundiais.

Entre os dez mais abastados do mundo, há semelhanças. Todos estão ligados a grandes grupos empresariais, nove são norte-americanos e oito trabalham na indústria tecnológica. O homem mais rico do mundo é, tal como no ano passado, Jeff Bezos, CEO da Amazon, com um património líquido total avaliado em 188 mil milhões de dólares, graças a um ganho de 73 mil milhões de dólares durante o ano.

Mas quem mais enriqueceu foi Elon Musk, que viu a fortuna crescer para 155 mil milhões de dólares. Entrando no top 10 diretamente para a segunda posição desta classificação, o CEO da Tesla e da SpaceX apenas superou a barreira dos 100 mil milhões de dólares no passado mês de agosto, tendo até mesmo começado o presente ano com um património líquido total de “apenas” 27,6 mil milhões de dólares. O disparo aconteceu com a ajuda da valorização das ações da Tesla em bolsa: 665% em 2020, ano em que chegou ao índice de referência mundial S&P 500.

Além de Musk, as outras entradas foram de Steve Ballmer (antigo CEO da Microsoft e atual proprietário da equipa de basquetebol Los Angeles Clippers) e Larry Ellison (co-fundador e diretor executivo da Oracle Corporation). Saíram Amacio Ortega (presidente e fundador da Inditex), bem como Julia Flesher Koch e Charles Kock (herdeiros da Koch Industries).

Apenas um dos dez mais ricos perdeu dinheiro ao longo deste ano: Warren Buffett, investidor e presidente da multinacional Berkshire Hathaway, caindo para a sexta posição da lista. Estas são as dez fortunas mais valiosas do mundo em 2020:

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Maiores fortunas do mundo cresceram 880 milhões por dia em plena pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião