FC Porto já garantiu 48,3 milhões de euros em dívida. Aumenta oferta para 70 milhões

Com este reforço, o encaixe líquido para o clube pode ascender a 67,53 milhões de euros. Estes servirão principalmente para reembolsar um anterior empréstimo obrigacionista.

O interesse dos investidores na dívida da SAD do Futebol Clube do Porto (FCP) levou o clube azul-e-branco a rever em alta a oferta que está a decorrer para um total de 70 milhões de euros. Até agora, já captou 48,3 milhões de euros junto de investidores de retalho e profissionais, segundo anunciou esta segunda-feira em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A sociedade anónima desportiva está no mercado para se financiar através de uma oferta pública de obrigações que arrancou a 10 de maio. São títulos de dívida a três anos com uma taxa de juro de 4,75%. “Até ao final do dia de hoje, 17 de maio de 2021, foram recolhidas intenções de subscrição consubstanciadas em 2.362 ordens, que correspondem a um montante total de 48.282.070 euros“, anunciou o clube liderado por Pinto da Costa.

O valor já captado representa 69% do total da oferta, “considerando o aumento para até 14.000.000 (catorze milhões) do número de obrigações a emitir e do respetivo valor nominal global da oferta para até €70.000.000 (setenta milhões de euros), conforme adenda ao Prospeto publicada hoje”, avança o mesmo comunicado. O novo total é o dobro do inicialmente estimado, sendo que o clube sempre considerou a hipótese de aumentar a oferta consoante a procura.

Com este reforço — e caso a oferta seja totalmente subscrita –, o encaixe líquido da operação para a FC Porto SAD ascende a 67,53 milhões de euros. Estes servirão principalmente para reembolsar um empréstimo obrigacionista que vence a 7 de junho de 2021 (de 35 milhões), mas também o reembolso do financiamento intercalar resultante da emissão de obrigações de titularização adicionais pela Sagasta Finance e o financiamento da atividade corrente.

O valor nominal de cada título é de cinco euros e cada ordem de subscrição deve ser apresentada num montante mínimo de 300 obrigações, correspondentes a um montante de investimento de 1.500 euros. A partir desse valor mínimo, cada ordem de subscrição deverá referir-se a múltiplos de cinco euros, ou seja, uma obrigação.

O limite para alterar ou revogar ordens de subscrição transmitidas é 21 de maio. A partir daí, as ordens de subscrição não poderão ser alteradas e serão irrevogáveis. Às 16h30 desse dia, as ordens serão transmitidas pelos intermediários financeiros à Euronext. Caso a procura supere o montante máximo disponível, haverá lugar a rateio, a começar com a atribuição de 5.000 euros em obrigações a cada ordem.

Os resultados da Oferta bem como o eventual rateio serão processados e apurados pela Euronext numa sessão especial de apuramento de resultados da Oferta, a 24 de maio de 2021. Dois dias depois está prevista a liquidação física e financeira da oferta, a emissão das Obrigações FC Porto SAD 2021-2023 e a admissão à negociação na Euronext Lisbon.

(Notícia atualizada às 20h35)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

FC Porto já garantiu 48,3 milhões de euros em dívida. Aumenta oferta para 70 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião