Inflação, juros e novas variantes ameaçam correção na bolsa, alerta CMVM

CMVM alertou para eventuais correções no mercado acionista se inflação alta persistir e os bancos centrais forem mais agressivos na subida dos juros. Novas variantes também preocupam regulador.

Alta inflação, aumento rápido dos juros pelos bancos centrais e novas variantes do coronavírus podem provocar correções significativas nos preços das ações, alertou o regulador do mercado esta sexta-feira.

Os preços das ações encontram-se em “níveis historicamente elevados”, e há mesmo “segmentos do mercado com indícios de alguma exuberância”. As cotações beneficiaram das ações dos bancos centrais e governos para travar a pandemia nos últimos dois anos. “Mas são cada vez mais fortes os sinais de inversão da política monetária”, avisa a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no relatório Risk Outlook para 2022, publicado esta sexta-feira.

“Se as taxas de juro diretoras aumentarem mais cedo e mais do que o previsto, os mercados obrigacionistas tenderão a reagir, com o consequente aumento das yields. A preocupação com o risco de inflação tem crescido nos mercados financeiros”, explica o regulador liderado por Gabriel Bernardino.

O alerta para uma bolha nas bolsas não é novo. Agora o aviso é para os investidores se precaverem face a uma correção num quadro de aceleração dos preços que vai obrigar os bancos centrais a atuarem de forma mais agressiva do que o previsto, como já indiciou a Reserva Federal norte-americana na semana passada, com os mercados a mostrarem-se muito nervosos. Na Zona Euro, com a inflação em máximos de desde a criação da moeda única, nos 4,9%, o Banco Central Europeu (BCE) está sob pressão para começar a apertar a política monetária, apesar de Lagarde insistir que a alta taxa de crescimentos dos preços se baseia em fatores temporários.

Neste quadro, “o eventual aumento da taxa de inflação e das taxas de juro poderá inverter o ritmo de ganhos no mercado acionista” e “essas correções de preços poderão ser exacerbadas devido à excessiva alavancagem de alguns investidores, que poderão ser forçados à alienação de posições”.

Acrescenta ainda o polícia dos mercados que “um aumento abrupto e rápido nas taxas de juros de longo prazo, ou o surgimento de novas variantes do SARS-CoV-2 que sejam resistentes às vacinas existentes, poderão igualmente originar correções nos mercados financeiros”.

O relatório da CMVM adverte ainda para os riscos decorrentes da digitalização, nomeadamente os riscos de “ciberataques, cibercrime e de fraude, e ainda riscos decorrentes da prática de intermediação financeira não autorizada, da oferta de instrumentos a investidores com poucos conhecimentos financeiros e da disseminação de informação inexata”, e ainda relativo ao rápido crescimento de ativos alternativos e digitais, como os criptoativos, “que se encontram, maioritariamente, fora do quadro regulamentar”.

O regulador também salienta os riscos associados às externalidades negativas que a atividade humana tem no ambiente, na sociedade e na governação das empresas (riscos ESG).

(Notícia atualizada às 14h21)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Inflação, juros e novas variantes ameaçam correção na bolsa, alerta CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião