“Bazuca financeira trará novas condições para investimentos em infraestruturas em 2021”, diz João Macedo Vitorino

João Macedo Vitorino, sócio fundador da Macedo Vitorino e Associados, acredita que os setores da energia e das telecomunicações poderão ter mais movimento em 2021.

Com esperança que em 2021 assista a uma retoma do investimento imobiliário, João Macedo Vitorino, sócio fundador da Macedo Vitorino & Associados, acredita que os setores que poderão ter mais movimento em 2021 são o da energia e telecomunicações.

Segundo o líder da Macedo Vitorino, a bazuca financeira trará novas condições para investimentos em infraestruturas com lançamento já em 2021. Para o novo ano espera todo o tipo de operações, desde investimento direto estrangeiro a aquisições, aproveitando oportunidades em empresas em dificuldades por força de um mercado enfraquecido.

Que setores, tendo em conta o contexto atual, podem ter mais movimento em 2021?

Tendo em conta o que se passa, diria que são os setores não afetados pela pandemia, como podem ser o setor da energia e o setor das comunicações. O primeiro, impulsionado pelas adjudicações de capacidade em 2021, resultantes dos leilões de reserva de capacidade e da publicação dos chamados termos de referência que se espera a DGEG publique em breve. Também a economia digital, as vendas e serviços online tenderão a beneficiar dos hábitos de trabalho e de consumo adquiridos em 2020. O segundo, pelo leilão 5G que vai mexer no mercado das comunicações com a entrada de mais um operador móvel e, espera-se, uma dinamização da atividade MVNO. Considerando o que se deseja aconteça em 2021, com o progressivo abrandamento das restrições à liberdade de circulação e com o retomar da atividade turística, temos alguma esperança que se assista ao retomar do investimento imobiliário. Por outro lado, a bazuca financeira trará novas condições para investimentos em infraestruturas com lançamento já em 2021.

Os custos com o trabalho continuam competitivos e não é o aumento do salário mínimo que alterará isso na perspetiva dos investidores estrangeiros.

João Macedo Vitorino

Sócio fundador da Macedo Vitorino & Associados

Que tipo de operações podem vir a acontecer?

De todo o tipo. Desde investimento direto estrangeiro a aquisições, aproveitando oportunidades em empresas em dificuldades por força de um mercado enfraquecido. Por este motivo, contamos que ocorram mais operações de fusão e reestruturação de empresas. O financiamento local continuará a ser um problema e um limite para os investidores portugueses.

Portugal continua a ser apetecível para os investidores?

Sim, continua, apesar do acréscimo da incerteza tributária e da carga fiscal geral e setorial a que temos assistido e que continuam em 2021. Os custos com o trabalho continuam competitivos e não é o aumento do salário mínimo que alterará isso na perspetiva dos investidores estrangeiros. O mesmo não se pode dizer para os empresários e PME locais, infelizmente. Aliás, uma economia fragilizada, quando se tem a expectativa que essa situação é temporária, pode ser um chamariz para investidores estrangeiros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Bazuca financeira trará novas condições para investimentos em infraestruturas em 2021”, diz João Macedo Vitorino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião