“Universidades não estão a formar engenheiros suficientes. Devemos incentivar a importação de talento”

A Farfetch está a contratar fora para preencher as suas necessidades. Dos 1.000 engenheiros da empresa, cerca de uma centena já são brasileiros, diz o responsável tecnológico da empresa.

Nove meses depois do IPO, Cipriano Sousa, responsável tecnológico (CTO) da Farfetch, ainda fala do dia em que a bandeira de Portugal foi hasteada em Wall Street com um brilho nos olhos. O diretor de tecnologia do unicórnio fundado pelo português José Neves acredita que a Farfetch é “caso único” em Portugal. “Não estamos a criar uma plataforma só para suportar o nosso negócio, estamos a criar quase um sistema operativo para uma indústria”, garante. Mas nem isso facilita o desafio de encontrar talento disponível no país. Por isso, a Farfetch está a contratar além fronteiras: mais de uma centena entre os mil engenheiros que a empresa tem nos escritórios são brasileiros.

O IPO da Farfetch foi há seis meses. Mudou alguma coisa desde a entrada em bolsa?

O dia do IPO foi um momento emocionante, foi o culminar de dez anos de esforço e trabalho e um momento muito especial. Se pensarmos em empresas portuguesas que passaram por isto, este é caso único: começou do zero e chegou a este ponto. Desde a entrada em bolsa, não vejo muitas alterações e o próprio José, o nosso CEO, diz que devemos continuar a trabalhar normalmente. O facto de sermos uma empresa pública não muda muito nessa perspetiva. Claro que devemos continuar a fazer um bom trabalho e focar-nos no que temos para fazer, nos nossos objetivos, e não nas stock options ou no facto de sermos uma empresa pública. O que pedimos às pessoas é que façam o trabalho normal de todos os dias, o melhor que sabem e que podem — que foi o que fizeram até agora e, por isso, chegámos a esse ponto.

A empresa tem um programa que atribuiu stock options a todos os trabalhadores. Esta política é bem vista por todos?

É evidente que as stock options têm vantagens financeiras. O programa que atribui stock options a todos os funcionários torna-nos, nesse aspeto, um caso também quase único em Portugal. Há outras que têm esse tipo de incentivos, mas só para alguns trabalhadores — na Farfetch é para todos, desde o júnior ao CEO — dessa forma reconhecemos o trabalho de todos, e é também de todos que depende do sucesso que alcançamos. É uma forma de todos termos um bocadinho da Farfetch e, portanto, há um benefício financeiro e as pessoas sentem isso no bolso. Por ser um benefício financeiro, todas as pessoas notam.

A Farfetch também sente a pressão em contratar tecnologia em Portugal?

Para nós é uma preocupação: em Portugal há excelentes técnicos e engenheiros, temos do melhor que há no mundo. No entanto, somos um país pequeno, por isso a quantidade é limitada. E isso coloca-nos um problema: temos mais de 1.000 engenheiros, mas precisamos de mais. A escala e a complexidade da plataforma é muita e, portanto, precisamos de continuar a crescer.

Cipriano Sousa lidera a equipa de engenheiros da Farfetch.Ricardo Castelo/ECO

Quais são os principais desafios nesta fase?

Há certas áreas em que é difícil encontrar engenheiros especializados, mas em todas as áreas de tecnologia está a ser complicado. Há muitas empresas a operar em Portugal, não há muitos recursos — as universidades não estão a formar tantos engenheiros quanto necessário — e estamos a recorrer ao estrangeiro. Temos alguns escritórios noutros países — em Portugal temos três, onde estão a maioria dos nossos engenheiros. E estamos a recrutar muitos brasileiros: contratamos lá e eles estão a vir para Portugal, alguns estão por cá e estamos a conseguir contratá-los. Na Leonesa já são mais de 100 brasileiros e isso é bom porque são quadros muito qualificados que estão a vir para Portugal.

As empresas devem promover essa importação de talento?

Devemos incentivar que isso aconteça, não só do Brasil como de outros países. Além disso, temos também uma academia de formação, ou seja, estamos a formar jovens que saem da universidade em tecnologia, segundo o que usamos. Através do programa Plug In, que dura seis meses, temos 36 vagas. Cerca de 95% dessas pessoas ficam e acabam por ser enquadradas na equipa, ou seja, temos pensado em várias formas de atrair talento. Mas não tem sido fácil.

De que pessoas é que estão à procura?

Há áreas, como a cibersegurança, em que não há muitos recursos em Portugal. Na área das infraestruturas, de redes e servidores, não há muito know how em Portugal. Tudo o que tem a ver com data — data scientists e data engineers –, temos de ir à procura noutros países. E mais algumas muito específicas, devido à escala da Farfetch: temos muitos data centers em vários países, e isso cria problemas muito particulares e pede soluções muito particulares e especialistas que percebam dessa operação em escala. Como não há empresas como a Farfetch, é muito difícil localizar pessoas que tenham essa experiência.

Temos mais de 1.000 engenheiros mas precisamos de mais.

Cipriano Sousa

CTO da Farfetch

Quais são os maiores atrativos da Farfetch para atrair talento?

Penso que é o desafio. Em Portugal, não conheço outra empresa que tenha um desafio como o da Farfetch. Estamos a criar uma plataforma que opera a uma escala global e que usa uma tecnologia de topo que mais nenhuma outra empresa usa. Ou seja, para um engenheiro que gosta de desafios, a Farfetch é das poucas opções que tem e acredito que esse é o principal fator de atração desse talento, do melhor e do mais especializado.

É evidente que depois há outros benefícios: as ações são importantes mas há outros, como as condições em termos de escritório ou a formação interna tornam a Farfetch muito atrativa. Penso que tem a ver com a formação em si, em áreas muito específicas — segurança, data science, ou outras, sempre em áreas de ponta — que, para quem quer crescer, é muito importante. Temos uma mistura de formação interna e externa. Para um engenheiro o que é mais importante é crescer enquanto engenheiro, e aprender coisas novas, ter novos desafios.

Estas preocupações com as pessoas foram pensadas desde o primeiro dia?

Foi uma evolução e também uma necessidade. Se queremos atrair e reter o talento, temos de criar as condições. Mas desde o início que tivemos essa preocupação com as pessoas, que é um dos nossos pontos fortes e uma das razões do nosso sucesso: pôr as pessoas em primeiro lugar porque são o principal ativo da empresa.

A que se deve o sucesso da Farfetch?

Fazemos diferente porque não estamos a criar uma plataforma só para suportar o nosso negócio, estamos a criar quase um sistema operativo para uma indústria. Suportamos, não só a Farfetch, mas outros parceiros como o Harrods, a Chanel. E portanto a complexidade do que fazemos é muito grande: estamos a fazer muito mais do que o site ou a app. Temos de criar um sistema operativo que consiga adaptar-se a vários parceiros, não só ao negócio da Farfetch como aos da Gucci ou da Chanel. E, ao desenhar essa plataforma, temos de ter isso em conta. E a tecnologia que usamos tem de estar adaptada a essas realidades.

Temos pensado em várias formas de atrair talento. Mas não tem sido fácil.

Cipriano Sousa

CTO Farfetch

Mas são produtos feitos à medida ou que permitem escalar?

Permite escalar, mas a complexidade está na lógica de negócio, tem de estar aberta a outros que não apenas à Farfetch. Se vamos suportar uma indústria inteira não vamos desenvolver a plataforma focados apenas na Farfetch, temos de trabalhar tendo em conta outros horizontes e todo esse processo é muito mais complexo.

Cipriano Sousa, CTO da Farfetch.Ricardo Castelo/ECO

É mais fácil contratar fora?

Como temos escritório em Londres, conseguimos aí de alguma forma. Temos escritório no Brasil, com um projeto específico e temos equipa de desenvolvimento. Em Xangai, que desenvolve soluções específicas para o mercado chinês. Vamos conseguindo através desses escritórios que temos espalhados pelo mundo.

Não estamos a criar uma plataforma só para suportar o nosso negócio, estamos a criar quase um sistema operativo para uma indústria.

Cipriano Sousa

CTO Farfetch

A Dream Assembly, programa de aceleração de startups da Farfetch, também teve de alguma forma essa preocupação de procurar e atrair talento?

Pode ser, nalguns casos, mas o foco é mais procurar ideias, perceber e fazer parcerias com outras empresas que tenham ideias interessantes nesta área. Eventualmente, pode surgir uma oportunidade de aquisição e contratação, mas não é esse o objetivo. No fundo, é criar uma comunidade de parceiros que se possam ligar à nossa plataforma e trabalhar com eles enquanto empresa independente.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“Universidades não estão a formar engenheiros suficientes. Devemos incentivar a importação de talento”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião