Aproveitar as férias para estudar? Universidades apostam em cursos de verão online

Se está a pensar aproveitar a pausa letiva ou as férias para reforçar competências, os cursos de verão são uma opção. Universidades estão a apostar em cursos online, para estudantes e profissionais.

Nesta fase do ano, milhares de estudantes estão a terminar o ano letivo e muitos procuram cursos de verão para ocupar as férias e, em alguns casos, dar os primeiros passos para o mercado de trabalho. Desde março, devido à pandemia, as universidades transitaram as aulas e as formações para o digital e os cursos de verão não vão ser exceção. Em Portugal, e no mundo, as escolas vão proporcionar as designadas “summer schools” em formato 100% online.

É o caso da 1.ª edição da Python Porto Summer School, uma summer school online pensada para alunos graduados na área financeira, que surgiu da parceria da Católica Porto Business School com a Lancaster University Management School. Entre 20 e 24 de julho, os alunos podem aprender as bases da linguagem de programação python, através de uma abordagem prática com base em exercícios práticos e estudos de caso.

Da filosofia à ciência de dados, há cursos para todos os gostos

Este ano, a ISCTE Business School organiza a Summer School Lisbon 2020 em formato exclusivamente online através da plataforma Zoom. O curso será lecionado em inglês e foi pensado para jovens que querem aprender mais sobre a cultura, história e língua portuguesa, e diferentes áreas de gestão.

A Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica (FCH) vai dedicar a 10.ª edição da Lisbon Summer School for the Study of Culture, ao debate sobre a ecocultura no futuro pós-pandemia, entre 6 a 11 de julho, também através da plataforma Zoom.

Se a sua área é a tecnologia, pode inscrever-se até 17 de julho na 10.ª Edição da Lisbon Machine Learning School, que acontece de 21 a 27 de julho, organizada pelo Instituto Superior Técnico, o INESC-ID, a Unbabel, e a Priberam Labs. A participação é gratuita para estudantes, professores ou investigadores, e custa 50 euros para o público geral.

Este verão, a Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova (FCT Nova), vai acolher a primeira fase do programa de inovação ‘The Journey’, de 13 a 24 de julho, numa versão 100% digital. O objetivo deste curso é que os estudantes façam uma viagem, de quatro semanas, para aprenderem mais sobre inovação, como trabalhar com sistemas complexos e implementar esses sistemas em soluções sustentáveis.

Formação de verão não é só para universitários

A pensar nos mais novos, a Porto Business School vai organizar o programa Business Summer School, que inclui dois cursos para estudantes do 10.º ao 12.º anos. O BoB (Basics of Business), de 20 a 24 de julho, para jovens que queiram aprender mais sobre como gerir um negócio e os principais conceitos económicos, e o Bootcamp de Empreendedorismo, de 27 a 31 de julho. O curso custa 300 euros por semana e inclui refeições.

Por outro lado, se já é um profissional experiente mas também quer aproveitar as férias para apostar na formação, pode optar pelas formações executivas online dinamizadas pelo ISEG Executive Education.

O programa executivo Futures, Strategic Design & Innovation, foi pensado para dirigentes, quadros e outros executivos, que procuram valorizar competências de gestão e vai decorrer online entre 2 e 10 de julho. Se só estiver disponível no final do verão, pode optar pelo programa executivo de estratégia e inovação Driving Business into the Future, de 6 a 11 de setembro.

A empresa de formação Cegoc também se adaptou às formações de verão e, a partir de 20 de julho, vai lançar a summer school através dos cursos LOVE — Live Online Virtual Experiences –, que incluem aulas virtuais sobre as competências do futuro, liderança, organização profissional, versatilidade e eficácia pessoal. As aulas têm a duração de duas horas e um número máximo de 15 participantes, por isso é necessário pré-inscrição.

Para este verão, a consultora de recursos humanos Galileu apostou em summer bootcamps, com cursos de curta e média duração nas áreas da programação, design, marketing digital, vídeo e animação, dashboards e power BI. Os cursos não são gratuitos, mas têm um desconto de 10% para antigos formandos.

Se ainda está indeciso, as formações online são uma possibilidade para procurar cursos internacionais. Pode explorar os cursos de verão online disponíveis a partir de universidades na Europa, ou ainda mais longe, como é o caso da Harvard Summer School da Universidade de Harvard, nos EUA.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aproveitar as férias para estudar? Universidades apostam em cursos de verão online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião