Nada se compra, mas tudo se paga. Uma vida por subscrição

Já não é só a conta da luz. Há uma subscrição para a Netflix. Outra para o carro. Outra para o ginásio. Mais a do papel higiénico e a da comida do cão. A nossa vida, agora, é uma subscrição?

Já não é só a luz, o gás, as comunicações. Aos poucos, outras mensalidades vão-se infiltrando nas despesas lá de casa: Netflix para filmes e séries, HBO para Game of Thrones e Chernobyl, Spotify para a música e os podcasts. Mais os canais extra na televisão, como SportTV e Eleven Sports, para ver a bola. Ou Amazon Prime para as encomendas. E o ginásio.

Geralmente, são valores baixos que nos saem automaticamente da conta bancária em diferentes períodos do mês. Dão-nos maior comodidade em alguns serviços, ou a vantagem do acesso a vastos catálogos com conteúdos que nos entretêm, sempre à mão. Contudo, em alguns meses, não somos capazes de os aproveitar ao máximo. Noutros, nem os usamos. Mesmo assim, escolhemos mantê-los, não vão eles serem precisos.

Aliada à evolução dos meios de pagamento digitais, a internet criou e popularizou novos modelos de negócio baseados em subscrições.Pexels

A internet está a criar novos modelos de negócio e a evolução dos pagamentos digitais facilitou a subscrição de uma vasta gama de produtos e serviços. Estes aparecem, muitas vezes, sob a forma de “contas premium“, pagas mês a mês. O modelo é mais conhecido em Portugal no mundo do streaming, mas é também explorado por algumas marcas de ginásios, em que uma mensalidade dá acesso a um vasto conjunto de sítios para treinar, em diferentes localizações. E até o leasing de automóveis, ou o aluguer de curta duração muito popular entre os millennials, acabam por ser, eles próprios, uma espécie de subscrição.

Esta é já a vida de muitos portugueses. Mas a tendência vai muito além dos conteúdos, da televisão, dos ginásios, dos carros. Em alguns países, como nos EUA, o modelo das subscrições está a conquistar tudo. Em maio, um artigo na revista The Atlantic apontava algumas coisas que já é possível obter através delas. A lista inclui uma subscrição para o papel higiénico, outra para a comida do cão, outra para produtos de cosmética ou até uma subscrição para receber mobiliário em casa. Mediante o pagamento periódico de um dado valor, já é possível ter estes produtos à porta de casa. Seja de mês a mês, de três em três meses, e por aí em diante.

Mas a comodidade é igualmente um excelente incentivo para se acumular mensalidades. José Veríssimo, professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), reconhece que existem várias razões “do lado dos consumidores e das empresas” na base da crescente popularidade do modelo das subscrições. Primeiro: a forma de pagamento é muito “conveniente”. Segundo: há um “grande incentivo” na “facilidade com que se tem acesso ao serviço”, sem esforços nem atritos. Terceiro: as subscrições “são porta de entrada para um acesso imediato às coisas”, independentemente do sítio e da hora a que se quer aceder.

Não é tudo. Do ponto de vista das empresas, José Veríssimo explica que “os serviços de subscrição são muito eficientes em termos de custo”. “Se pensarmos nos que têm por base o streaming — porque a tecnologia acaba por ser o enabler [desbloqueador] de tudo isto –, a diferença de custos em ter mais 50, 500 ou um milhão de pessoas a quem prestar o serviço não é muito grande”, diz ao ECO. Um segundo fator relevante é o contacto mais imediato com os clientes: “Posso enviar promoções, informações, o que eu quiser, de forma muito imediata e com a autorização do próprio utilizador”, diz o professor. O último fator de atratividade é o “controlo da cadeia”. O desaparecimento dos intermediários.

Nem tudo são boas notícias para os consumidores. O mesmo fator que traz simplicidade no pagamento das subscrições pode representar um custo mais elevado no final do mês. Mesmo nos períodos em que não usamos um serviço subscrito, muitos de nós, podendo, nem nos damos ao trabalho de cancelar a subscrições. Por isso, acabamos por pagar serviços dos quais não chegamos a ter usufruto.

Os serviços de subscrição são muito eficientes em termos de custo. Se pensarmos nos que têm por base o streaming, a diferença em ter mais 50, 500 ou um milhão de pessoas a quem prestar o serviço não é muito grande.

José Veríssimo

Professor do ISEG

Subscrever, pagar, esquecer

Bruno Nascimento, 31 anos, é empreendedor nos setores do comércio eletrónico e da tecnologia. Tem subscrições de “várias coisas”, desde Netflix (vídeo), Spotify (música), Apple Music (música, incluído no tarifário do telemóvel), Audible (audiobooks), Medium (artigos), The New York Times (jornal), Bear (aplicação de notas) e Bunk (banco digital), mais o espaço adicional na conta da iCloud.

Tudo somado, estima gastar entre 30 e 35 euros mensais com estes serviços. Mas admite que pode estar a pagar outras subscrições das quais já nem se recorda: “Provavelmente até tenho alguma que não disse porque está lá, está feita”, confessa ao ECO.

Nem todos os meses tira o máximo partido de todas estas subscrições: “Do Spotify tiro, porque uso em família. Netflix também. Mas estou sinceramente a pensar deixar de subscrever o Medium”, confessa. Trata-se de uma plataforma de artigos escritos e publicados pela comunidade de autores. A conta premium custa cinco euros por mês e a empresa promete distribuir parte do dinheiro pelos autores, um fator que levou Bruno Nascimento a decidir subscrever. Algum tempo depois, esta mensalidade deixou de fazer sentido: “Já não vejo que me esteja a trazer valor”, confessa.

Este exemplo também é reflexo da facilidade de subscrição através dos novos meios digitais. No mercado português, a aplicação MB Way — da SIBS, a empresa que gere a rede Multibanco — permite criar cartões bancários virtuais, descartáveis, que tornam este tipo de transações mais seguras. Como é possível defini-los para só aceitarem compras até um determinado valor, e até uma determinada data, os cartões temporários do MB Way tornaram-se, para muitos portugueses, uma forma de conseguirem um maior controlo das subscrições que detêm. “Uso sempre. Com o MB Way, consigo ter a certeza de que, passado aquele tempo, a subscrição não vai renovar”, explica Bruno Nascimento.

Provavelmente até tenho alguma [subscrição] que não disse porque está lá, está feita.

Bruno Nascimento

31 anos

Mas também há quem garanta um maior controlo sobre o que subscreve e quando subscreve, de forma manual. Por ser profissional do setor da distribuição audiovisual, José Machado, 41 anos, tem conta aberta em diversas plataformas de streaming, das mais comuns às mais alternativas. Mas há uma coisa que garante: “Não há nenhuma plataforma que me consiga fidelizar”.

“Tenho durante alguns meses Netflix, mas não tenho o ano inteiro Netflix. Vou em função dos conteúdos”, conta, explicando que subscreve quando a plataforma tem filmes ou séries que sejam do seu interesse. Desta forma, vai saltando de conta em conta, de mês para mês. E também usa cartões bancários virtuais, como os do MB Way, para conquistar um maior controlo sobre as mensalidades que paga. Se em algum mês não se lembrar de cancelar a assinatura, a data de validade do cartão descartável garante que as empresas não conseguem cobrar as mensalidades devidas. Nestes casos, suspendem a conta até que haja um novo pagamento.

Esta facilidade é possível na internet, mas ainda escapa a outros setores. Nos ginásios, por exemplo, costuma haver um “período de fidelização”, mais uma série de burocracias que tornam difícil iniciar ou cancelar o serviço. “Lembro-me quando desisti do Holmes Place, a complicação que foi”, recorda José Machado, sem saudade.

A Amazon é apontada como uma das impulsionadoras do negócio das subscrições. Com o Prime, é possível obter descontos em encomendas através de uma mensalidade, ou definir entregas periódicas de determinados produtos.Pexels

Tenho durante alguns meses Netflix, mas não tenho o ano inteiro Netflix. Vou em função dos conteúdos.

José Machado

41 anos

Subscrever versus deter

As análises têm sido relativamente consensuais: a geração millennial (entre 1981 e 1996) não dá tanta importância à propriedade como os baby boomers (entre 1946 e 1964). Valorizam mais experiências do que coisas.

Uma breve pesquisa no Google exibe milhares de artigos que apontam que os millennials preferem viajar com a Uber em vez de terem carro próprio, ou terem acesso a todas as músicas ao invés de a comprarem CD a CD. Assim, o modelo das subscrições assenta nesta economia que nem uma luva. São cada vez mais raras as vastas coleções de álbuns ou filmes, como prova o quase desaparecimento total dos videoclubes.

E aqui, novamente, há aspetos positivos e negativos. Alguém que não tenha carro próprio em Lisboa pode, rapidamente, descarregar a Drive Now e usar um das centenas de automóveis espalhados pela cidade. É claramente vantajoso e flexível. Mas veja-se o exemplo dado pela revista The Atlantic, relativo a um serviço de subscrição de mobiliário para o quarto: podemos gastar “apenas” 150 dólares mensais pelo aluguer de três conjuntos de mobiliário de quarto para três apartamentos diferentes, o que até é flexível, mas… ao fim de três anos, pagámos 5.400 dólares e ainda não temos uma única peça de mobiliário própria.

Comentários ({{ total }})

Nada se compra, mas tudo se paga. Uma vida por subscrição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião