Agente humanitário

O Mundo das ONGs é o território da superioridade moral. Mas a realidade é infinitamente mais complexa e implacável perante as soluções simplistas e moralistas.

As ondas migratórias no Mediterrâneo fazem a primeira vítima em Portugal. Um activista nacional, voluntário na ONG Jugend Rettet e tripulante da nave “Iuventa” está acusado pela Justiça de Itália de “auxílio à imigração ilegal”. Face à tragédia económica e ao desespero político que governa a África, existe nestas “missões humanitárias” o reflexo de uma espécie de turismo humanitário, gosto pela aventura e fascínio pelo exótico.

O Mundo das ONGs é o território da superioridade moral, o exclusivo da sociedade civil transnacional, o território da opinião pública global, a visão política concentrada no slogan “Another World is Possible”. É como se a canção “Imagine” de John Lennon fosse o Hino da Humanidade – “Imagine there’s no countries/ It isn’t hard to do/ Nothing to kill or die for/ And no religion, too”. Mas a realidade é infinitamente mais complexa e implacável perante as soluções simplistas e moralistas.

O Mediterrâneo não é um muro de mar nem pode ser um mar de mãos que pretendem transportar a população de África para a segurança da Europa. A ideia de uma Europa repleta de imigrantes e de uma África abandonada ao arbítrio de governos venais e corruptos é um cenário de catástrofe, uma distopia digna de um romance político.

A Europa falha na política para a imigração e afunda-se nas águas claras do Mediterrâneo. A Itália proíbe a entrada de navios das ONGs com “refugiados”, Matteo Salvini indica como destino mais próximo Hamburgo. Vista do mar, como se apresenta a Europa? É certamente um Continente fora do Mundo, com as suas fronteiras controladas por traficantes no lado de África e por burocratas na margem da Europa. As ONGs fazem o vaivém entre o Céu e o Inferno, prometem ilusões e oferecem sobras do Ocidente e Campos para Refugiados. A Europa inunda o mar com sonhos de segurança e prosperidade e não deixa espaço para os sonhos privados de todos os que fogem de África ou do Médio-Oriente. A travessia do Mediterrâneo representa o conflito entre a escassez de tudo e a grande fantasia da riqueza material, do poder e do respeito. Os deslocados deixam de pertencer ao lugar de origem para passarem a pertencer a lugar nenhum. As ONGs observam esta estranha alienação geográfica e cultural como uma espécie de libertação, uma sensibilidade da condição migratória cujo desenvolvimento poderá ser um grande progresso para a Europa do século XXI.

Ser deslocado, migrante, refugiado, imigrante, é para esta visão política e ideológica um estatuto moralmente maior no meio da maior miséria e degradação – a transformação política de uma ideia religiosa de redenção. Ser refugiado é neste estranho Cosmos uma projecção do ser humano universal e livre – livre de jurisdições políticas, livre de vínculos nacionais ou nacionalistas, verdadeiramente cidadão do Mundo. Nesta peculiar perspectiva, o efeito de uma grande deslocação de massas tem como consequência política e social a criação de uma nova espécie de seres humanos, indivíduos que fundamentam a sua identidade, não em um lugar, mas numa ideia.

Esta deslocação entre Mundos obriga o indivíduo a encontrar a configuração de uma nova identidade – primeiro, recusando a definição de terceiros; depois, assumindo uma nova postura baseada na fusão e na união sem precedentes entre o que foram e o lugar onde se encontram. O refugiado, por natureza, suspeita da realidade, tendo no seu percurso experimentado vários modos de ser e de viver, o imigrante percebe como é frágil o seu estatuto permanente ou provisório. A experiência decisiva é o facto de um dia ter atravessado a fronteira. E as fronteiras são dispositivos políticos que se abrem e se fecham sempre em duas direcções. Nesta visão política radical e absoluta, “Nenhum Ser Humano é Ilegal” e “Salvar Vidas não é Crime”.

A teoria até pode parecer a solução para o Inverno demográfico na Europa. A ideia de importar a próxima geração de europeus, mais do que uma fantasia perigosa, pode mesmo representar uma fractura política, económica e cultural no tecido social do Continente. Quando os sinais na Europa apontam para o falhanço das políticas de integração, quer na modalidade britânica, quer na versão francesa; quando na Europa se observa o discurso radical e populista em franca ascensão; quando a Europa perde paulatinamente o seu predomínio económico face às grandes potências emergentes é suicidário o modo como se restringe a discussão sobre os efeitos da imigração ao mesmo tempo que se abrem as portas da Europa a todas as denominações étnicas, culturais e religiosas. A Europa não pode ser o refúgio do Mundo.

O activista nacional acredita nas boas intenções e na boa vontade, um recurso excelente da ingenuidade política. O activista nacional tem também a convicção de que no futuro imediato os refugiados da Síria, da Somália e do Afeganistão vão ser assimilados pacificamente no interior da Europa, tal como os milaneses, genoveses e florentinos se agregam numa entidade nacional designada por Itália. A abertura, a receptividade e a capacidade de integrar as histórias e as descobertas do Mundo na cultura da Europa são prodigiosas. Resta por saber e resta a dúvida existencial se serão ilimitadas.

Nota: O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Agente humanitário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião