BE diz que precários é a “luta do próximo ano”

  • Lusa
  • 10 Dezembro 2016

A coordenadora do Bloco de Esquerda Catarina Martins apontou a integração dos trabalhadores precários do Estado como a "luta do próximo ano".

cropped-cropped-tp05-3-1

A coordenadora do Bloco de Esquerda Catarina Martins apontou hoje a integração dos trabalhadores precários do Estado como a “luta do próximo ano”, advertindo que rejeitará critérios que excluam profissionais e setores que também merecem o vínculo.

“Nada está garantido até termos terminado. Esta vai ser seguramente a luta do próximo ano”, afirmou Catarina Martins, intervindo numa sessão pública em Lisboa que visou dar voz a trabalhadores precários que prestam serviço para entidades do Estado.

A coordenadora bloquista disse que o “acordo de princípio” obtido no âmbito do Orçamento do Estado para 2017 com vista à integração dos precários “é muito pouco” e frisou que o BE irá estar atento não só ao resultado do levantamento que o Governo se comprometeu a fazer mas também às regras e critérios da integração.

“Precisamos que esse acordo passe à prática e já vimos como as próprias regras que o Governo quer aplicar são regras que deixam as pessoas e setores de fora”, afirmou a deputada, exigindo um “debate claro das regras para perceber se tem sentido efetivo” ou se “é só um número para dizer que se faz”.

Para o BE “reconstituir relações laborais próprias da democracia é prioritário” numa altura em que o país já é “um autêntico offshore laboral” e a administração pública “dá o pior dos exemplos” ao recorrer à precariedade para suprir necessidades permanentes.

A deputada considerou que o recurso à precarização das relações de trabalho nos últimos anos teve como objetivo reduzir salários e retirar direitos sem qualquer efeito positivo na diminuição do emprego ou no aumento da competitividade.

O emprego só aumentou agora ligeiramente e só depois de se repor os feriados e de aumentar o salário mínimo nacional“, frisou.

Na sessão, que decorreu no auditório da União de Associações do Comércio e Serviços, Lisboa, intervieram vários profissionais, entre os quais uma “assistente operacional” no centro hospitalar do Oeste, que alertou para a diferença entre os “da casa” e os “da empresa” [de trabalho temporário].

“Quando entramos para trabalhar no hospital tínhamos contrato de 35 horas. Quando saiu a lei da `troika´ obrigaram toda a gente a fazer 40 horas. Agora, os da administração pública já fazem 35 horas e nós continuamos a fazer 40. Porque dizem que assinámos”, lamentou a empregada contratada.

Entre as diferenças, apontou, os trabalhadores contratados “só podem escolher seis dias” de férias, já que a prioridade de escolha dos dias de férias é dada aos “da casa”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE diz que precários é a “luta do próximo ano”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião