EUA interessados em investir em startups portuguesas de saúde

  • Lusa
  • 21 Dezembro 2016

Há empresas norte-americanas interessadas em investir em startups portuguesas da área da saúde, anunciou o ministro da Economia. Alguns negócios podem ser concretizados em janeiro.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirma que há empresas norte-americanas interessadas em investir em ‘startups’ portuguesas da área da saúde, devendo alguns negócios estar concretizados em janeiro do próximo ano.

Este é o resultado de uma deslocação de Manuel Caldeira Cabral a Boston, nos Estados Unidos, na qual se fez acompanhar de cinco empresas portuguesas do ramo da biotecnologia para participar no Portugal Day at Mass Bio, organizado pelo Massachussetts Biotechnology Council.

Numa resposta escrita enviada à Lusa, Caldeira Cabral fez um balanço muito positivo deste evento, que “despertou um forte interesse nas empresas de Boston para investir na área da saúde em Portugal, tendo servido para divulgar os projetos das ‘startups’ portuguesas da área da saúde no que é o maior centro mundial de investigação e de empresas na área da saúde e biotecnologia”.

Segundo o membro do Governo, “o encontro entre as empresas portuguesas e investidores abriu ainda perspetivas para a concretização de investimentos de empresas americanas em empresas portuguesas da área da biotecnologia, havendo já empresas americanas a concretizarem e a avançar para a fase final de negociações”.

Esta foi também, segundo Caldeira Cabral, “uma oportunidade para divulgar o trabalho que está a ser feito nas universidades e hospitais portugueses e das perspetivas que se abrem de colaboração com os Estados Unidos de projetos conjuntos de valorização do conhecimento transformando-o em produtos e serviços inovadores”.

Nesta viagem a comitiva visitou ainda empresas que estão a considerar investir em Portugal, nomeadamente, na área laboratorial e de inovação, “tendo sido revelados alguns casos que podem ser concretizados já no início de janeiro, quer de entrada de capital norte-americano em empresas portuguesas, quer de segundas rondas de investimento em empresas que já contam com investimento de fundos dos Estados Unidos”, revelou o ministro da tutela.

Este evento foi organizado em parceria com o Ministério da Economia, a embaixada dos Estados Unidos em Portugal, a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e a Portugal Ventures.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA interessados em investir em startups portuguesas de saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião