Reformas do Estado caem há seis anos

  • ECO
  • 24 Fevereiro 2017

O valor médio das novas pensões na função pública caiu mais de 350 euros entre 2011 e 2016. Há também menos reformados, mas o valor médio das pensões de sobrevivência no Estado aumentou.

Nos últimos anos, o valor médio das pensões dos funcionários públicos caiu a bom cair. Segundo dados da Caixa Geral de Aposentações (CGA), avançados jornal Correio da Manhã, o valor médio das reformas no Estado era, em 2011, de 1283,84 euros. Cinco anos depois, este valor era de 932,5 euros, menos 351,3 euros, indica o jornal, sublinhando que, só entre 2015 e 2016, a média do valor das pensões dos funcionários públicos caiu 179,9 euros.

O número de novos reformados também tem vindo a cair, com os dados da CGA a apontarem para uma redução de 14.890 no número de aposentações. O jornal Correio da Manhã refere que, enquanto em 2011 se reformaram 23.1617 pessoas, em 2016 apenas 8.727 o fizeram. Isto é, menos 14.890 pessoas, número explicado em parte pelo aumento da idade da reforma e pelas penalizações aplicadas sobre as reformas antecipadas.

Por fim, a tendência das pensões de sobrevivência do Estado contraria a das reformas por velhice. Enquanto a média em 2011 era de 521,48 euros, cinco anos depois o valor subiu 37,9 euros para 559,38 euros mensais, avança o matutino. O ministro Vieira da Silva estará a preparar nova legislação que criará regimes de exceção para as carreiras contributivas mais longas, permitindo que pessoas com 45 e 50 anos não tenham de esperar pelos 66 anos para se reformar.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reformas do Estado caem há seis anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião