Governantes estão há 10 anos a prometer o “ponto de viragem”

Esta semana foi a vez de Mário Centeno e António Costa prometerem “um ponto de viragem”. A moda começou pelo menos há mais de dez anos com Manuel Pinho. Mas desde Guterres que a economia não vira.

Fotomontagem por Raquel Sá Martins

Esta quinta-feira, num artigo de opinião assinado no jornal Público, Mário Centeno veio juntar-se ao coro de vozes de ministros, primeiros-ministros e presidentes da República que prometem e anunciam a boa nova do “ponto de viragem”.

“Um ponto de viragem para Portugal: construir o futuro com base na confiança”, é o título do artigo de Mário Centeno, em que o ministro das Finanças garante que “a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) é um passo decisivo para um futuro mais próspero. Para um futuro em que o crescimento económico e a criação de emprego tragam mais justiça social”.

No início da semana, no dia em que foi anunciada a saída do PDE, António Costa também esperou pela abertura dos telejornais para afiançar que a decisão da Comissão Europeia “é uma prova de confiança no futuro da economia portuguesa e confirma que nos encontramos num ponto de viragem“.

Nem foi preciso esperar pela saída do PDE para anunciar a viragem. Em fevereiro, quando foi inaugurar a nova fábrica do grupo indiano Sakthi, assegurou que “este investimento é um excelente exemplo, que sinaliza um momento de viragem na economia do país”.

Não são só os socialistas, e nem é de hoje que os governantes portugueses aparecem à frente das câmaras a anunciar o tal “ponto de viragem”. A moda talvez tenha começado com Manuel Pinho. Estávamos em outubro de 2006 e o então ministro da Economia anunciava, a partir de Aveiro para o mundo, que “a crise acabou, vive-se um ponto de viragem”. Para o ministro, que saiu depois da polémica dos chifres no Parlamento, a única questão era saber “quanto é que a economia portuguesa vai crescer. Já não se fala em recessão e investimento zero”.

É verdade que a economia cresceu em 2007 (2,5%), para logo a seguir em 2008 abrandar (0,2%) e em 2009 entrar novamente em recessão profunda, de 3%. Aliás, desde o início do século, desde o final da era António Guterres, a economia tem somado sucessivos anos de crescimentos anémicos alternados com anos de recessão.

Evolução da taxa de crescimento da economia desde 2000

Fonte: Pordata

Nesse mesmo mês de outubro de 2006, em que Manuel Pinho prenunciava a saída da crise, o seu chefe de Governo José Sócrates assinava um conjunto de protocolos com o MIT (Massachusetts Institute of Technology) e, claro está, anunciava que “este acordo representa um ponto de viragem na sociedade”. O mesmo Sócrates que em agosto desse ano, depois das férias de verão, anunciava “o princípio do fim da crise”.

Até porque a crise não havia de durar para sempre. Quem o disse foi Teixeira dos Santos, na altura com a pasta das Finanças: “a crise não há de durar sempre, um dia há de acabar”. Num seminário económico realizado em Lisboa, Teixeira dos Santos confirmava: “estamos esperançados que as coisas possam vir a melhorar dados os sinais presentes, que prenunciam que estaremos num ponto de viragem”.

Saiu Teixeira dos Santos, entrou Vítor Gaspar. Mas o ponto de viragem não foi a lado nenhum. Na governação de Passos, também muitos profetizaram a dita viragem. Em outubro de 2011, Gaspar prometeu fazer “do Orçamento do Estado para 2012 um ponto de viragem”. Em janeiro de 2012, já com esse “orçamento da viragem” aprovado, Portugal consegue fazer com sucesso uma colocação de dívida a 11 de meses. O agora diretor do departamento de assuntos orçamentais do FMI veio anunciar, novamente, “que podemos estar a aproximar-nos de um ponto de viragem”.

O seu colega Álvaro Santos Pereira também dizia que esse ano de 2012 seria determinante para Portugal e para a economia portuguesa, pois ”certamente irá marcar o fim da crise e será o ano da retoma para o crescimento de 2013 e 2014”. Os números mostram que a economia afundou 4% em 2012, voltou a não crescer em 2013 e deu algum sinal de vida em 2014 (+0,9%). Mas Álvaro, que quis internacionalizar os pastéis de nata, não desistiu. Em 2013, num evento de apresentação do projeto turístico da Herdade da Comporta (sim, da Herdade da Comporta), o ministro da Economia dizia que o investimento de 92 milhões de euros “mostra que estamos num ponto de viragem no que respeita à confiança dos investidores”.

Tal como o seu antecessor Sócrates, e o seu sucessor Costa, Passos Coelho não quis deixar o “ponto de viragem” em mãos alheias. Classificou 2012 como “o ano do princípio do fim da emergência nacional” e em novembro de 2011, quando anunciou o arranque do plano de privatizações, afirmou esperar que “possa ser um motivo de viragem, de ponto de viragem de expectativas dos investidores em Portugal”.

O seu vice Paulo Portas, em 2013, também apareceu no congresso do CDS a pedir um desagravamento fiscal ainda durante a legislatura, garantindo para depois da saída da troika, “no que de nós depende, a chegada a um ciclo de crescimento económico e um ponto de viragem quanto à criação de emprego”, declarou.

Carlos Moedas, que tinha precisamente o dossier da troika, também veio anunciar em 2014, numa entrevista ao Financial Times, em Washington, que “as reformas estruturais marcam o ponto de viragem da economia portuguesa”.

Em 2014, a economia já dava um ar da sua graça (+0,9%) e foi precisamente nesse ano que Cavaco Silva juntou-se ao clube do ponto de viragem. Foi a França dizer aos emigrantes que “2014 foi um ano de viragem” e que “Portugal cumpriu todos os compromissos para com as entidades internacionais na sequência de um empréstimo que lhe foi feito”.

Quem se seguiu em Belém foi Marcelo Rebelo de Sousa, que está num despique com António Costa a ver quem é mais otimista ou “irritantemente otimista”. Quando na semana passada Portugal colocou 1,5 mil milhões de euros em dívida a curto prazo a juros negativos, Marcelo não perdeu a oportunidade: “É mais uma boa notícia, que confirma a viragem na economia de que eu falei ontem. Os mercados estão a sentir a solidez financeira em Portugal, estão a sentir o crescimento”.

Em 2015, o último ano de Passos Coelho no Governo, a economia cresceu 1,6%, e no ano seguinte, já com António Costa abrandou ligeiramente para 1,4%. O arranque deste ano foi promissor, com o PIB a crescer 2,8%, naquele que foi o maior crescimento dos últimos dez anos, o que nos leva de volta ao ano em que Manuel Pinho começou a moda do “ponto de viragem”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governantes estão há 10 anos a prometer o “ponto de viragem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião