Venda da TVI à dona da Meo anunciada nas próximas 24 horas

Prisa e Altice já terão chegado a acordo para a venda da Media Capital, de acordo com a Bloomberg. O negócio pode ser anunciado nas próximas 24 horas, confirmou o ECO.

Já haverá acordo entre a Prisa e a Altice para a compra da Media Capital pela empresa dona da Meo. A informação foi avançadas pela Bloomberg, que cita fontes próximas do processo. O negócio deverá ser anunciado nas próximas 24 horas, confirmou o ECO.

Esta sexta-feira de manhã está também marcada uma conferência de imprensa sem assunto definido num hotel em Lisboa, sabe o ECO, onde estarão presentes diversos altos responsáveis da empresa, nomadamente da Altice Media, assim como Michel Combes, o presidente executivo da Altice a nível internacional. Paulo Neves, presidente executivo da PT Portugal, também estará presente. Tanto a Altice como a Prisa recusaram comentar estas informações quando contactadas pelo ECO.

Segundo a Bloomberg, a participação maioritária da Prisa na Media Capital estará avaliada entre 300 e 500 milhões de euros. O jornal El Confidencial [conteúdo em espanhol] já tinha avançado que o ativo deveria custar cerca de 450 milhões de euros ao grupo Altice.

Como o ECO noticiou em primeira mão, a dona da Meo decidiu avançar com uma proposta de compra do grupo de media português que detém a TVI e a rádio Comercial, depois de confirmar as conversações num comunicado submetido aos mercados. No final de junho, na assembleia geral de acionistas, o chairman da Prisa, Juan Luis Cebrián, também já tinha falado da necessidade da empresa de “redução do seu perímetro”, numa clara alusão à venda de ativos.

Segundo o jornal Público [acesso condicionado], a intenção da Altice é a de que a compra da Media Capital esteja concluída até ao final do ano. Face à natureza do negócio, é expectável que os reguladores se pronunciem sobre ele.

A Prisa vende assim a Media Capital à Altice após a venda falhada da sua editora espanhola, a Santillana, no início do ano. Duas semanas depois do anúncio da substituição do presidente executivo Jose Luis Sainz por Manuel Mirat, é agora também revelado o nome do próximo CFO do grupo: o novo diretor financeiro será Guillermo de Juanes, segundo a Bloomberg. Terá em mãos uma avultada dívida e parte dela deverá vencer já em 2018.

Do lado da Altice, e no dia em que se soube dos planos da empresa para abrir um banco online em Portugal, a estratégia passa por adquirir ativos também no setor dos media. Patrick Drahi quer transformar a Altice num conglomerado universal, numa tendência de consolidação das empresas de media e das telecom que se verifica também a nível internacional.

(Notícia atualizada às 19h05 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda da TVI à dona da Meo anunciada nas próximas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião