Altice compra a TVI. É hoje?

Administração da Prisa reuniu esta quinta-feira e um dos pontos na agenda foi a venda da Media Capital. Hoje há reunião de acionistas em Madrid e o negócio poderá ser anunciado nas próximas horas.

O anúncio da venda da Media Capital à Altice pode estar por horas, soube o ECO junto de fontes de mercado que conhecem o dossiê. Depois do anúncio formal das negociações no início desta semana, o conselho de administração da Prisa reuniu esta quinta-feira com este ponto na agenda e decorre, a esta hora, uma assembleia geral de acionistas, em Madrid, com uma proposta preliminar da Altice já apresentada ao conselho. Salvo alguma alteração inesperada, o negócio poderá, por isso, ser anunciado nas próximas horas ao mercado ou, no mínimo, uma autorização formal dos acionistas para a administração da Prisa fechar um acordo.

Oficialmente, ninguém comenta esta informação. O ECO enviou ontem perguntas oficiais à Prisa sobre a reunião de conselho e as expectativas para a ‘Junta General de Accionistas’, mas até ao momento não obteve respostas. E a Altice também não fez quaisquer comentários. Depois da notícia do Expresso do passado fim de semana, a Altice confirmou em comunicado na segunda-feira o segredo mais conhecido do meio empresarial: o grupo dono da PT Portugal está em negociações há meses com a Prisa e que aceleraram depois do grupo espanhol ter falhado a venda da Santillana. Qual é o preço base da negociação? 450 milhões de euros, revelou o El Confidencial. Mas não foi possível, até ao momento, confirmar se este é o valor do negócio que terá, ainda, de passar o crivo das entidades reguladores, a ERC e a Anacom e a própria Autoridade da Concorrência.

“Em resposta a uma solicitação dirigida pela CMVM, a Altice confirma que iniciou interlocuções exploratórias com a Promotora de Informaciones relativas à potencial aquisição da participação da Prisa na Media Capital, grupo português do setor dos media e com posições de liderança em televisão, produção audiovisual, rádio, digital, música e entretenimento”, informou o grupo de Media francês fundado por Patrick Drahi. Um comunicado ‘curto’ perante o desenvolvimento das negociações que já existem há meses.

Agora, a negociação passou para a fase da oficialização da proposta de compra, que terá sido feita nas últimas horas, e condição necessária para o conselho da Prisa o levar a assembleia geral de acionistas.

A Media Capital é a bala de prata do presidente da Prisa, Juan Luis Cebrian, para dar a resposta que alguns dos acionistas da Prisa exigem. O conselho da empresa de media espanhola contratou o Morgan Stanley para negociar a venda do grupo líder de comunicação social em Portugal, na televisão, na rádio e na produção, com a Plural. O grupo faturou 174 milhões de euros em 2016 e apresentou um valor de EBITDA da ordem dos 42 milhões de euros.

De acordo com fontes de mercado, citadas pela imprensa em Espanha, a Prisa terá de amortizar 958 milhões de euros até ao final do próximo ano. E com a decisão do conselho da Prisa de não aceitar as propostas que recebeu para vender a Santillana, sobra a operação em Portugal.

Do lado da Altice, liderada em Portugal por Paulo Neves, a possibilidade de aquisição de empresas de media nunca foi afastada. Em meados de dezembro, o gestor afirmou numa entrevista que “rumores existem sempre”. A Altice é um operador de telecom que, recorde-se, já tem negócios de media em França e em Israel.

De resto, também em dezembro, escreveu o Financial Times, o grupo liderado por Patrick Drahi quer oferecer oito novos canais aos clientes da operadora francesa SFR, também detida pela Altice. Com um objetivo: criar canais próprios e distribuir canais de outros estúdios, de forma exclusiva. Com a compra da Media Capital, a estratégia será a mesma?

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice compra a TVI. É hoje?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião