Incêndios: Meia centena de estações Siresp foram afetadas pelas chamas e estão em “modo local”

A líder da PT avançou que os incêndios provocaram problemas em "cerca de 50" estações do Siresp. Estão a operar em "modo local", isoladas da restante rede de comunicações do Estado.

Cláudia Goya, presidente executiva da PT/MeoPaula Nunes / ECO

Meia centena de estações do Siresp estarão a atuar em “modo local” por causa dos incêndios que lavram desde domingo em Portugal continental, o que significa que estão a operar de forma isolada, cada uma por si, fora da rede de emergências do Estado. Em causa estão os danos provocados na rede pelas chamas, nomeadamente a destruição das linhas de fibra ótica que ligam estas estações umas às outras. A informação foi avançada pela Altice num encontro com jornalistas esta segunda-feira. É a PT, participada do grupo franco-israelita, que faz a gestão da rede.

Cláudia Goya confessou que, nesta altura, existirão “cerca de 50 sites que estão a funcionar em modo local” — isto é, permitem as comunicações apenas a terminais ligados à mesma torre, impossibilitando as comunicações com a totalidade da rede e, consequentemente, dificultando as comunicações aos agentes no terreno. Este é um problema que tem valido críticas severas à PT/Meo, incluindo do primeiro-ministro, António Costa. Em causa está o facto de a PT usar linhas de fibra ótica em postes, que acabam por arder nos incêndios.

Sobre a hipótese que está a ser estudada de usar condutas para passar esses cabos de forma subterrânea, a líder da Meo disse: “Temos um grupo de trabalho no sentido de analisar essas alternativas relativamente a enterrar os cabos. É algo no qual estamos a trabalhar ativamente.”

Fogo danificou 3% da infraestrutura

Os incêndios que lavram em Portugal desde domingo já provocaram danos em “cerca de 150” postos de telecomunicações da Meo no país, aproximadamente 3% do total. Destes, três deles “arderam na totalidade”, nas localidades de Santa Comba Dão e Arganil. O último balanço da Proteção Civil dá conta de pelo menos 35 mortos e sete desaparecidos.

Cláudia Goya, presidente executiva da PT/Meo, disse que as chamas afetaram infraestruturas da operadora “em nove distritos”, seis deles “em situação crítica”. “Temos cerca de 150 sites que foram afetados, 3% daquilo que é o nosso número total de sites, avançou a gestora.

As chamas têm vindo a provocar falhas nas comunicações em vários concelhos do país e, por isso, a Altice decidiu deslocar para vários pontos do país 17 unidades móveis para “assegurar as comunicações”. “Duas encontram-se em trânsito para a zona centro”, acrescentou Cláudia Goya, a meio da tarde desta segunda-feira.

[A Altice] assume o compromisso total de modo a poder recuperar da forma mais célere possível, e à medida que as condições o forem permitindo, todas as infraestruturas de comunicação.

Cláudia Goya

Presidente executiva da PT/Meo

Algumas frentes da crítica apontam o dedo à Meo, acusando-a de não ser capaz de garantir as comunicações nestas situações mais extremas, alegadamente ao contrário do que acontece com as operadoras concorrentes. Críticas que a Meo rejeita com veemência. “Existem condições difíceis a nível nacional que afetam todos os operadores. É um impacto que deriva, obviamente, da extensão dos incêndios”, recordou Alexandre Fonseca, chefe de tecnologia da PT.

Nem Armando Pereira, o cofundador do grupo Altice, ficou alheio a esta questão e disse, com ironia: “Os nossos sites ardem e os dos outros não. Não sei porquê. Devem ser feitos de maneira diferente.” E explicou: “Ardem porque houve fogo”, sublinhando que “não é verdade” que as outras operadoras concorrentes, nomeadamente a Nos e a Vodafone, não estejam a sofrer do mesmo tipo de problemas.

Antes, já Cláudia Goya tinha deixado “uma palavra de solidariedade, de conforto e também de força a todos os portugueses e a todas as famílias afetadas pelos incêndios”. “[A Altice] assume o compromisso total de modo a poder recuperar da forma mais célere possível, e à medida que as condições o forem permitindo, todas as infraestruturas de comunicação”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Meia centena de estações Siresp foram afetadas pelas chamas e estão em “modo local”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião