Presidente angolano: Sonangol é “galinha dos ovos de ouro”

Na tomada de posse da nova administração da Sonangol, João Lourenço declarou que a petrolífera angolana é "a galinha dos ovos de ouro" do país e pediu para "cuidarem bem" da empresa.

Na tomada de posse da nova gestão da Sonangol, o Presidente da República angolano, João Lourenço, pediu aos administradores que “cuidem bem” da petrolífera estatal “por ser a galinha dos ovos de ouro” de Angola.

“Que continue a ser, para a nossa economia, a galinha dos ovos de ouro. Eis a razão por que fazemos este apelo, para que cuidem bem dela”, disse João Lourenço, na cerimónia realizada esta quinta-feira no palácio de presidencial, em Luanda, citado pela Lusa.

A nova gestão da Sonangol será liderada por Carlos Saturnino, que ocupou o cargo de secretário de Estado dos Petróleos durante pouco mais de um mês. Saturnino ocupa o lugar de Isabel dos Santos, que foi exonerada esta quinta-feira por João Lourenço.

Que continue a ser, para a nossa economia, a galinha dos ovos de ouro. Eis a razão por que fazemos este apelo, para que cuidem bem dela.

João Lourenço

Presidente de Angola

Em relação a essa exoneração, o vice-presidente da CASA-CE considerou ao Jornal de Angola que não vê “não tem nada de extraordinário”, explicando que se trata de “um mero exercício das suas competências”. “No quadro atual, o Presidente da República tem legitimidade política e legalidade constitucional de assim proceder”, declarou Lindo Bernardo Tito. “Não vejo algo extraordinário nas exonerações e nomeações, pois é um mero exercício das competências políticas constitucionais”, salientou ainda.

Desde que tomou posse como chefe de Estado de Angola, substituindo no cargo o histórico líder José Eduardo dos Santos, João Lourenço tem promovido várias alterações na composição da gestão de várias empresas públicas, algumas das quais ligadas diretamente ao antigo presidente, incluindo familiares.

Depois de ter exonerado a filha do antigo Presidente da Sonangol, João Lourenço também decidiu retirar a gestão dos canais públicos Canal 2 e à TPA Internacional às empresas privadas Westside e Semba Comunicações, detidas por Welwistchea dos Santos e José Paulino dos Santos, filhos de Eduardo dos Santos.

esta sexta-feira a ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, exonerou as administrações de dois dos maiores hospitais públicos do país, em Luanda, além do inspetor-geral e diretor nacional da saúde, conforme despachos a que a Lusa teve acesso esta quinta-feira.

Antes, João Lourenço já havia realizado outras exonerações em cargos de instituições e empresas importantes em Angola, cujas lideranças tinham sido nomeadas pelo anterior Chefe de Estado. Como por exemplo, no Banco Nacional de Angola, onde então governador Valter Filipe tinha sido indicado por José Eduardo dos Santos um ano antes.

(Notícia corrigida às 14h03. Por lapso, atribuíram-se declarações ao Presidente da República quando na verdade foram proferidas pelo vice-presidente do partido CASA-CE. Aos leitores e aos visados, as nossas desculpas pelo engano)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente angolano: Sonangol é “galinha dos ovos de ouro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião