Abreu Advogados assessora Baía Mall e um hotel em Maputo

Abreu Advogados e a JLA Advogados foram responsáveis pelos serviços de assessoria nas áreas de direito imobiliário, financeiro e societário no âmbito da implementação deste projeto de construção.

A Abreu Advogados e a JLA Advogados foram responsáveis pelos serviços de assessoria nas áreas de direito imobiliário, financeiro e societário no âmbito da implementação do projeto de construção do novo complexo imobiliário em Maputo, constituído pelo centro comercial Baía Mall e um hotel, e que representou um investimento global na ordem dos 96 milhões de dólares.

A equipa contou com advogados da equipa de Lisboa, do Porto e de Maputo, nomeadamente Zara Jamal (Sócia), Ana Sofia Batista (Sócia), Paulo de Tarso Domingues (Sócio) José Carlos Vasconcelos (Advogado Principal), Paulino Langa (Associado Sénior) Patrícia Saraiva de Aguilar (Advogada), Hugo Teixeira (Advogado Associado), Patricia Cabral (Advogada Associada), Sara Soares (Advogada Associada), Elsa Sá Carneiro (Advogada Associada), Edna Sacate (Advogada) Isabel Pinheiro Torres (Advogada Associada), António Araújo (Advogado Associado), Mónica Levy (Advogada estagiária) e Adina Sulemane (Advogada estagiária).

Uma das infraestruturas mais relevantes e recentes no panorama imobiliário moçambicano e no coração de Maputo, o novo empreendimento, gerido pela Capital Land foi inaugurado no final de 2017 e inclui um centro comercial com cerca de 100 lojas e restaurantes, bem como um hotel (operado pela cadeia Southern Sun). No total, com este investimento, prevê-se a criação de 2 mil postos de trabalho diretos e indiretos.

Constituída em 1993, a Abreu Advogados é uma das maiores sociedades de advogados em Portugal, contando com uma equipa de cerca de 200 advogados, num total de 300 profissionais. Além dos escritórios de Lisboa, Porto e Madeira, a Abreu Advogados tem presença internacional através das desks de Angola (FBL Advogados), Brasil (Siqueira Castro Advogados), Cabo Verde (Arnaldo Silva & Associados, C&C Lawyers e Abreu Advogados), China – Macau (C&C Advogados), Moçambique (JLA Advogados) e Timor-Leste (joint office com C&C Advogados).

A JLA Advogados é um dos principais escritórios de advogados de Moçambique. Sediada em Maputo, a JLA Advogados conta com uma equipa de advogados especializada em vários ramos do Direito. Em 2010, a JLA Advogados e a Abreu Advogados celebraram uma parceria com o objetivo de acompanhar os seus clientes, nacionais e internacionais, colaborando ativamente na prestação de serviços jurídicos

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abreu Advogados assessora Baía Mall e um hotel em Maputo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião