As quatro prioridades do Portugal 2030 da inovação à energia

  • Marta Santos Silva
  • 25 Janeiro 2018

Pedro Marques referiu ainda que o Governo vai consultar os partidos políticos para a criação de um Conselho Superior das Obras Públicas já ao longo das próximas semanas.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, apresentou esta quinta-feira na Assembleia da República as prioridades que o Governo definiu para servirem de base para a preparação do desenvolvimento de Portugal na década que se seguirá ao período Portugal 2020.

O debate no plenário desta quinta-feira foi resultado de uma interpelação ao Governo feita pelo Partido Socialista (PS) sobre o planeamento do Portugal 2030, e Pedro Marques respondeu com as quatro prioridades do Governo, afirmando ainda que ao longo das próximas semanas o Governo vai começar a consultar os partidos políticos sobre a implantação e as funções de um Conselho Superior das Obras Públicas que o Executivo pretende trazer de volta.

Após louvar o trabalho do Governo com o programa Portugal 2020, Pedro Marques afirmou: “Abraçamos agora um desafio extremamente exigente: a definição estratégica do país que queremos ser em 2030, e de como a política pública pode cumprir essa ambição”. Os principais desafios, afirmou, que Portugal e a Europa enfrentam são a perda de competitividade relativamente a outras regiões mundiais, a diminuição demográfica, as alterações climáticas e a transição energética. Perante eles, o Governo delineou quatro “agendas temáticas” para responder aos constrangimentos mais significativos para Portugal.

  1. As pessoas. O ministro explicou que neste tema a ação terá de saber responder “aos desafios demográficos mas concretizando igualmente o forte investimento na melhoria das qualificações da população”.
  2. A inovação. Pedro Marques defendeu a transformação da economia por via da digitalização, em três dimensões principais: a investigação empresarial, com uma ligação crescente ao mundo científico; a inovação no capital humano, com investimento na formação profissional digital da mão de obra; e a inovação e qualificação das instituições do Estado.
  3. A sustentabilidade e valorização dos recursos endógenos. “Temos de valorizar e explorar as potencialidades do território”, afirmou o ministro, reforçando que a floresta deve ser protegida e explorada, e também o mar abre novas oportunidades. Aqui, Pedro Marques aproveita para referir a importância da descarbonização da economia.
  4. O desenvolvimento do território. Pedro Marques referiu a importância de ter um país internamente coeso, entre o Interior e o Litoral, o Continente e as Ilhas, e externamente preparado para ser competitivo.

Estas linhas gerais foram desenvolvidas após “a audição de um vasto conjunto de entidades”, acrescentou Pedro Marques na sua intervenção. “Havemos de convocar o melhor da sociedade portuguesa para refletir sobre” o tema, assinalou ainda.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As quatro prioridades do Portugal 2030 da inovação à energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião