Conflito entre a Pharol e a Oi vai ser mediado

  • Lusa
  • 3 Abril 2018

O processo de recuperação judicial da empresa brasileira Oi vai passar a incluir um processo de mediação do conflito que a põe em rota de colisão com a sua principal acionista, a portuguesa Pharol.

O processo de recuperação da operadora de telecomunicações brasileira Oi vai incluir um processo de mediação entre a Bratel [subsidiária da Pharol], a Société Mondiale e as recuperandas, anunciou a Pharol, acionista portuguesa de referência da Oi. No comunicado divulgado na CMVM — Comissão de Mercado de Valores Mobiliários pela Pharol SGPS [antiga PT SGPS] lê-se que foi nomeada Juliana Loss como mediadora do conflito, no âmbito da decisão do juiz brasileiro Fernando Viana.

“Este Juízo é um entusiasta da adoção de meios alternativos para solução de conflito, e confia que a mediação possa resolver o conflito societário. Não há dúvidas de que será melhor para todos que esse clima de instabilidade e desrespeito às decisões judiciais seja estancado para que o Grupo Oi possa se recuperar e sair deste processo mais fortalecido”, lê-se na decisão divulgada pela Pharol. Quer as recuperandas, quer a Bratel e a Société Mondiale mostraram “recetividade à sugestão do Juízo”, nota o juiz.

“Determino ao Administrador Judicial que acompanhe o procedimento e mantenha o Juízo informado de sua evolução”, concluiu o juiz brasileiro, que suspendeu os direitos políticos dos subscritores da ata da Assembleia Geral Extraordinária porque “atos que afrontam as decisões judiciais jamais serão tolerados por este Juízo”, referiu.

A Oi adiou a apresentação dos resultados de 2017, justificando com “a complexidade dos impactos do processo de recuperação judicial e da aprovação e homologação do seu Plano de Recuperação Judicial nos trabalhos de elaboração das demonstrações financeiras da companhia”.

A Pharol é acionista de referência da Oi, com 27% das ações. A Oi está num processo de recuperação desde 2016, com o objetivo de reduzir o passivo da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 16 mil milhões de euros). O Plano de Recuperação Judicial propõe-se a reduzir o passivo da empresa através da conversão de 75% da dívida suportada pelos credores, aos quais serão concedidos direitos sobre a companhia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conflito entre a Pharol e a Oi vai ser mediado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião