Lucro da Ibersol sobe 12% para 10,9 milhões de euros no primeiro semestre

  • Lusa
  • 7 Setembro 2018

A dona da Pizza Hut fechou a primeira metade do ano com lucros de 10,9 milhões de euros, mais 12% do que no mesmo semestre do ano passado.

A Ibersol registou no primeiro semestre 10,9 milhões de euros de lucro, uma subida de 12,2% em comparação com o período homólogo, revelou a empresa num comunicado ao mercado.

De acordo com nota enviada à CMVM, no período em causa, o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) totalizou 26,5 milhões de euros, o que traduz uma subida de 3,3% face ao mesmo semestre do ano anterior. A margem de EBITDA foi de 12,5% do volume de negócios, que compara com os 12,6% registados no período homólogo.

Nos primeiros seis meses do ano, o volume de negócios da empresa fixou-se em 211,3 milhões de euros, um crescimento de 3,4% em comparação com o primeiro semestre de 2017.

“Incluindo o efeito do aumento do salário mínimo, os custos com pessoal aumentaram 2,1%, tendo o peso desta rubrica reduzido para 31,3% do volume de negócios (31,7% em 2017). Não ocorreram aumentos decorrentes da atualização de tabelas salariais aplicáveis ao setor em Portugal, que poderão ser aplicados retroativamente”, lê-se no comunicado.

No primeiro semestre, os custos em fornecimentos e serviços externos cresceram 1,7%, passando a representar 33,5% do volume de negócios, menos 0,6 pontos percentuais do que no mesmo período do ano anterior, “apesar do aumento das rendas nas novas concessões nos aeroportos”. Os outros proveitos operacionais ascenderam a 4,5 milhões de euros, o que representa uma queda de 0,4 milhões de euros, resultantes “do proveito não recorrente gerado pelo trespasse de um restaurante no período homólogo do ano anterior”.

Por sua vez, os custos operacionais ascenderam a um milhão de euros, dos quais 0,5 milhões de euros correspondem a taxas e impostos. Os custos de financiamento líquido consolidado foram 2,2 milhões de euros, cerca de 0,2 milhões de euros inferiores ao do primeiro semestre de 2017.

“Registe-se, no entanto, que no primeiro semestre de 2018 esta rubrica inclui cerca de 0,9 milhões de euros correspondentes à contabilização do valor descontado das cauções prestadas em Espanha nomeadamente as exigidas pelos contratos celebrados das novas concessões”, indicou.

No período em causa, o ativo total ascendeu a cerca de 432 milhões de euros, enquanto o capital próprio situou-se em 192 milhões de euros, representando cerca de 44% do ativo. O investimento total situou-se em 12,4 milhões de euros, dos quais cerca de 8,7 milhões de euros representam o investimento em novas aberturas e obras em curso, e o restante valor na remodelação e reconversão de alguns restaurantes.

Em 30 de junho, o endividamento remunerado líquido subia a 78,5 milhões de euros, menos 4,6 milhões de euros do que no final de 2017.

“Em Portugal prevê-se um ligeiro abrandamento do ritmo de crescimento das vendas na linha do que se verificou nos últimos meses, enquanto em Espanha se prevê a manutenção dos níveis atuais, embora mais moderados”, concluiu.

O grupo Ibersol posiciona-se no negócio da alimentação, detendo marcas como KFC, Burger King, Pans & Company, Pizza Hut e Pasta Caffé.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da Ibersol sobe 12% para 10,9 milhões de euros no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião