5 coisas que vão marcar o dia

Os partidos vão ficar a conhecer as linhas gerais do Orçamento do Estado, num dia em que o FMI voltou a pressionar Centeno para que reveja em baixa a previsão de crescimento para 2019.

O ministro das Finanças apresenta hoje aos partidos as linhas gerais do Orçamento do Estado para 2019, pelo que deverão ser conhecidos mais detalhes da proposta do Governo — isto num dia em que o FMI revela as suas previsões de crescimento a nível mundial e volta a pressionar o Governo português para que reveja em baixa a perspetiva de evolução do PIB para 2019. No campo da estatística, o Banco de Portugal vai atualizar dados sobre os juros dos novos empréstimos e depósitos. Se está à procura de emprego, começa hoje a Job Summit, uma feira virtual de empregabilidade com 700 vagas para preencher.

Governo vai reunir com os partidos sobre o OE

Mário Centeno tem encontro marcado com os vários partidos para apresentar as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2019. Na agenda do ministro das Finanças estão várias reuniões: às 9h45 com o PAN, às 10h30 com o PSD, às 11h15 com o PEV, às 12h00 com o BE, às 12h45 com o PCP e às 14H00 com o CDS. Deverão chegar ao domínio público algumas propostas do Governo de medidas para o próximo ano.

BdP atualiza dados sobre empréstimos e depósitos

O Banco de Portugal (BdP) atualiza hoje as estatísticas sobre as novas operações de empréstimos e depósitos relativas ao mês de agosto. Em julho, a taxa de juro média das novas operações de empréstimos aumentou um ponto base para 2,37%, enquanto a taxa de juro média dos novos depósitos até um ano de sociedades não financeiras aumentou três pontos base, para 0,14%, revelou em setembro a entidade liderada por Carlos Costa.

Arrancam as reuniões anuais do Banco Mundial e FMI

Começam hoje as reuniões anuais dos Conselhos de Governadores do Grupo do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Estes encontros decorrem numa altura em que acaba de ser publicada a edição de outubro do relatório World Economic Outlook do FMI, no qual o Fundo encabeçado por Christine Lagarde volta a pressionar o Governo para que reveja em baixa a estimativa do PIB para 2019 — António Costa estima um crescimento de 2,3% em 2019, igual ao deste ano, enquanto o FMI prevê que a economia portuguesa cresça 1,8% no ano que vem.

Rui Cartaxo no Parlamento sobre as rendas da EDP

O antigo presidente da REN, Rui Cartaxo vai ser submetido às perguntas dos deputados da comissão de inquérito parlamentar ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Rui Cartaxo foi constituído arguido em junho de 2017 no âmbito do caso que envolve a elétrica nacional e os chamados CMEC, que vieram substituir os contratos de aquisição de energia no âmbito da liberalização do mercado da energia em Portugal. A audição terá lugar na Assembleia da República, a partir das 15h00.

Arranca a feira virtual de Job Summit

Começa hoje a segunda edição da Job Summit, uma feira virtual de emprego em Portugal, que conta com cerca de 700 ofertas de emprego registadas na plataforma, à espera de serem preenchidas pelas 60 empresas inscritas. Esta feira de empregabilidade decorre exclusivamente na internet, até 10 de outubro. A maioria das vagas a preencher está integrada nas áreas da tecnologia e engenharia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião