Rio promete ajustamento orçamental maior que Costa. Esforço será no início da legislatura

O PSD prevê chegar a 2023 com um excedente estrutural mais baixo que o do Governo, mas o esforço de ajustamento poderá ser 4,5 vezes maior na legislatura. Rio concentra consolidação no início.

Se vencer as eleições legislativas de 6 de outubro, o PSD conta chegar a 2023 com um saldo estrutural de 0,2% do PIB, abaixo dos 0,3% do PIB previstos pelo Governo no Programa de Estabilidade. No entanto, os sociais-democratas apontam para um esforço orçamental no conjunto da legislatura 4,5 vezes superior ao que o Executivo assumiu em abril junto da Comissão Europeia.

No cenário macroeconómico apresentado terça-feira, Rui Rio prevê que com as medidas de política que o PSD quer implementar o saldo estrutural passe de -0,7% do PIB em 2019 para 0,2% do PIB no último ano da legislatura. Esta trajetória permite uma correção estrutural de 0,9 pontos percentuais do PIB nos quatro anos do próximo Governo.

No Programa de Estabilidade, que seguiu em abril para Bruxelas, Portugal comprometeu-se a chegar a um saldo estrutural de 0,3% do PIB em 2023, mas o ponto de partida era outro. Mário Centeno acredita que vai fechar as contas de 2019 com um saldo estrutural de 0,1% do PIB, o que significa que o esforço orçamental estrutural se fica pelos 0,2 pontos percentuais do PIB.

A diferença do ponto de partida resulta do facto de PSD e Governo usarem bases de trabalho distintas em relação ao ano em curso. A equipa de Rui Rio assumiu as projeções feitas em março pelo Conselho das Finanças Públicas. Já o Ministério das Finanças tem cálculos próprios.

A redução do saldo estrutural prevista por Rio acontece nos primeiros dois anos da legislatura, um regresso ao modelo mais habitual de gestão do ciclo eleitoral que antecipa para o início do mandato o esforço orçamental deixando para a segunda metade um enquadramento mais folgado. Na presente legislatura esta situação não se verificou, já que António Costa arrancou a sua governação devolvendo aos eleitores rendimentos que tinham sido cortados pelo Executivo de Passos Coelho durante o processo de ajustamento da economia portuguesa.

A folga de Bruxelas e as contas certas de Costa

O saldo estrutural é um indicador relevante em finanças públicas porque desconta do saldo global as medidas extraordinárias ou irrepetíveis bem como o efeito do ciclo económico. Ou seja, retira ao saldo eventuais ajudas extra sejam elas de medidas one-off ou dos bons ventos da economia. Por isso, a sua evolução permite ver o verdadeiro esforço de consolidação orçamental feito por um Executivo.

Apesar da diferença entre o esforço de Rio e de Costa ser grande, a comparação entre os programas eleitorais pode acabar por ditar alterações. O PS ainda não mostrou o seu cenário macroeconómico carregado com as medidas que os socialistas querem aplicar na próxima legislatura e o novo quadro pode conter novas metas para o saldo estrutural.

Porém, a base de partida — o saldo estrutural de 0,1% para este ano — deverá manter-se e a Comissão Europeia já recomendou ao Governo que admita mais folga, atingindo um saldo estrutural nulo apenas em 2020. Apesar disso, se Portugal alterar as metas terá de justificar as mudanças em Bruxelas. Agora resta saber que impacto as medidas do PS terão nas contas públicas e qual a evolução da economia que será projetada. Certo é que a principal bandeira que António Costa tem agitado na corrida às legislativas é a das contas certas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio promete ajustamento orçamental maior que Costa. Esforço será no início da legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião