Caixa vai criar “super” gestora com 24 mil milhões em ativos

Banco público vai fundir a Caixa Gestão de Ativos e a Fundger. Quer criar uma gestora com "dimensão relevante", mais competitiva e "com benefícios claros para os aforradores e o país".

Apresentação dos resultados da CGD no 1o trimestre de 2019 - 02MAI19
Paulo Macedo continua a reorganizar grupo CGD.Hugo Amaral/ECO

A Caixa Gestão de Ativos já é a maior gestora de fundos de investimento no mercado português. Mas vai ficar ainda maior com a incorporação de outra gestora da Caixa Geral de Depósitos (CGD), a Fundger. A fusão entre as duas sociedades dará lugar uma “super” gestora que vai passar a gerir quase 24 mil milhões de euros em ativos mobiliários e imobiliários.

O banco público prossegue a reorganização da sua estrutura com a fusão e extinção de empresas e sociedades: quer ser mais simples e menos pesado. Agora, prepara-se para unir as duas sociedades gestoras de ativos com a transferência do património da Fundger – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário na Caixa Gestão de Ativos – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento através de uma fusão de por incorporação. Se tudo correr bem, fica fechada ainda este ano e com efeitos a 1 de janeiro de 2019. Mas pode derrapar para 2020.

“A projetada fusão permitirá racionalizar a estrutura organizacional e de administração das sociedades, representando assim mais uma etapa no âmbito da racionalização e simplificação das sociedades gestoras de fundos de investimento”, justifica a CGD no projeto da operação.

Com quase 23 mil milhões de euros em ativos sob gestão, a Caixa Gestão de Ativos é líder do mercado de fundos de investimento mobiliário com uma quota de mercado de 34%, segundo dados da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) relativos ao segundo trimestre. Já a Fundger tem mais de 800 milhões de euros em ativos imobiliários sob gestão, com uma quota de 7,6%.

Uma super gestora é boa para o país

Como resultado da fusão, a CGD vai criar “uma sociedade gestora de ativos com dimensão relevante“, assinala-se o projeto da fusão. A nova gestora terá “uma estrutura de gestão única” que vai simplificar “os processos de tomada de decisão” e otimizar “a estratégia de abordagem a segmento de mercado em que cada uma das empresas individualmente tem mais experiência”.

“A sociedade resultante da fusão será mais sólida e sustentável e mais preparada para responder aos desafios do futuro”, frisa ainda o banco, sublinhando que permitirá ainda a integração e convergência da oferta de produtos e serviços. “A conjugação dos negócios determinará assim o aumento da capacidade competitiva, gerando mais concorrência no mercado de gestão de ativos, que se pretende dinâmico e inovador, com benefícios claros para os aforradores e para o país“, indica o projeto de fusão.

A fusão encontra-se dependente da autorização do Banco de Portugal. Se o supervisor bancário der luz verde até final deste ano, os efeitos da fusão aplicam-se a partir de 1 de janeiro de 2019. A partir de 2020 terá de ser a CMVM a autorizar e, nesse caso, a operação só ficará concluída no próximo ano.

A CGD registou lucros de 417,5 milhões de euros no primeiro semestre, impulsionado pela venda do banco em Espanha.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Caixa vai criar “super” gestora com 24 mil milhões em ativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião