Sabe quem exporta mais violinos para a União Europeia? A China

Segundo o Eurostat, no ano passado, as importações violinos para os Estados-membros da UE chegaram aos 234.800, um aumento de 27% face a 2013. A China é o principal exportador dos europeus.

No ano passado, os Estados-membros da União Europeia importaram 234.800 violinos, cujo valor total das transações atingiu 15,7 milhões de euros. A maioria dessas importações são de países fora da UE, sendo os chineses quem dá “mais música” aos europeus.

De acordo com o Eurostat, em 2018, o número de violinos importados pelos Estados-membros representa um aumento de 27% face a 2013. Destes, 191.500 foram importados de países fora da União Europeia. A China é o principal exportador para os Estados-membros, com 99% das importações a serem feitas através do mercado chinês (188.500 violinos).

Número de violinos importados na União Europeia em 2018.Fonte: Eurostat

No que diz respeito ainda às importações de países extracomunitários, as restantes provêm de outros setes países: Estados Unidos (810 violinos), Taiwan (670), Moldávia (600), Nepal (240), Brasil (110), Japão (70) e Índia (60).

O Reino Unido é o principal destino destas importações para o espaço comunitário, sendo responsável por um terço das importações (71.300 violinos). Seguem-se os alemães (31.300) e os italianos (18.200). Portugal é o sexto país que menos importa, com apenas 122 violinos, ultrapassando apenas pela Lituânia, Malta, Letónia, Estónia e Luxemburgo.

Número de violinos exportados na União Europeia em 2018.Fonte: Eurostat

Já no que toca às exportações foram exportados 104.582 violinos para fora da UE, com um valor total de 23,3 milhões de euros. Apesar da subida das importações, no ano passado, as exportações caíram 7% face a 2013. A Roménia é o país da União Europeia que mais exporta este instrumento para o resto do mundo, com 14.000 instrumentos consagrados por Niccolò Paganini exportados.

Segue-se a Dinamarca (12.200), Alemanha (6.400) e Reino Unido (5.000). Portugal é o terceiro país que menos exporta os instrumentos que tradicionalmente tocam do lado esquerdo da orquestra, com apenas seis, e apenas ultrapassado pela Irlanda e pela Eslováquia. A maioria dos violinos vão para os Estados Unidos e para a Coreia do Sul (11.900 cada).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sabe quem exporta mais violinos para a União Europeia? A China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião